Ex-assessor de Trump se declara culpado por mentir ao FBI

Michael Flynn manteve contatos com diplomatas russos em 2016; ex-assessor está afastado desde fevereiro

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O ex-conselheiro para Segurança Nacional do presidente Donald Trump, Michael Flynn, se declarou culpado de ter mentido a agentes do FBI sobre sua relação com representantes russos.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

O ex-assessor do republicano confirmou em um tribunal nesta sexta-feira (01/12) que dera falso testemunho sobre seus contatos com o embaixador de Moscou em Washington, Sergey Kislyak, ocorridos em dezembro passado, durante o período de transição de governo.

"Minhas ações foram erradas. Minha declaração de culpabilidade e a vontade de cooperar com o procurador especial [Robert Mueller] refletem a decisão que tomei no melhor interesse de minha família e meu país. Aceito a plena responsabilidade por minhas ações", disse.

Flynn prestou depoimento ao FBI em 24 de janeiro passado, quatro dias depois da posse de Trump, quando negou ter se encontrado com Kislyak. Segundo a emissora "ABC", ele estaria disposto até a testemunhar contra o magnata.

Wikimedia Commons

Michael Flynn manteve contatos com diplomatas russos em 2016

Venezuela anuncia refinanciamento de dívida externa com Rússia

Operação militar 'ativa' contra Estado Islâmico na Síria se aproxima do fim, dizem Forças Armadas russas

China condena sanções contra empresas que negociam com a Coreia do Norte

 

A notícia de que Flynn assumiu ter mentido aos investigadores confirmam sua colaboração com a equipe do procurador especial Robert Mueller, responsável pelo inquérito que apura as supostas interferências da Rússia nas eleições norte-americanas de 2016.

Levado ao governo por Trump, Flynn teve de deixar seu cargo em fevereiro passado, após a revelação de que ocultara contatos telefônicos com a diplomacia russa. As ligações foram interceptadas pelo FBI e captaram conversas com Kislyak sobre as sanções impostas por Barack Obama por conta da suposta ação do Kremlin nas eleições.

No primeiro semestre, a imprensa norte-americana divulgou que o presidente teria pedido ao então chefe do FBI, James Comey, depois demitido, para ele engavetar as investigações contra Flynn. "Ele é um bom rapaz, espero que você possa deixar isso para lá", teria afirmado o republicano.

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Mulheres começam a dirigir na Arábia Saudita

Abertura é reflexo de uma mobilização de quase três décadas em defesa dos direitos das mulheres sauditas; as primeiras campanhas pelo direito a dirigir ocorreram nos anos 1990