União Europeia pede recontagem de votos 'transparente' a tribunal eleitoral de Honduras

Representante da UE solicitou que TSE respondesse às reclamações dos candidatos recontando os votos; missão europeia em Honduras também apontou irregularidades

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

A alta representante da União Europeia (UE) para política externa e segurança, Federica Mogherini, pediu nesta quarta-feira (06/12) que o Tribunal Supremo Eleitoral de Honduras (TSE) fizesse uma nova recontagem dos votos das eleições presidenciais de Honduras que ocorreram no final de novembro (26/11). A missão da UE no país já havia afirmado que as eleições continham irregularidades.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

"É essencial que as autoridades eleitorais permaneçam abertas e respondam a possíveis reclamações, incluindo a de um segundo processo transparente de recontagem, caso solicitado pelos candidatos", afirmou a porta-voz de Mogherini em um comunicado.

As acusações de que o processo eleitoral de Honduras conteve irregularidades vêm ganhando cada vez mais corpo. Os últimos dados oficiais apontaram a vitória do governista Juan Orlando Hernández, o que gerou uma série de manifestações no país e reações internacionais.

Wikimedia Commons

Representante da UE solicitou que TSE respondesse às reclamações dos candidatos recontando os votos

Papa cobra fim da violência contra manifestações em Honduras

Sistema de contagem de votos em Honduras foi apagado antes de presidente passar a liderar apuração, diz oposição

OEA diz que 'irregularidades' não permitem 'certeza' sobre resultados da eleição em Honduras

 

Mongherini afirmou que o direito à manifestação deve ser garantido, mas pediu “que as partes expressem suas preocupações de maneira pacífica, utilizando os mecanismos que têm disponíveis”.  Disse ainda que lamenta "a perda de vidas humanas".

A missão eleitoral que a UE enviou para Honduras “continuará seu trabalho para observar as próximas etapas das eleições para que o processo seja concluído, incluindo possíveis reclamações”.

Missão da UE apontou irregularidades

Marisa Matias, deputada portuguesa do Bloco de Esquerda e líder da missão da União Europeia em Honduras, também afirmou a necessidade de que os votos sejam recontados e e apontou irregularidades no processo eleitoral. "Para garantir a transparência deste processo e garantir que o voto dos hondurenhos foi respeitado, o Tribunal Supremo Eleitoral (TSE) deve ter flexibilidade”.

Para ela, “a forma como se anunciou a vitória dos dois candidatos, completamente em contradição com a lei eleitoral –porque quem tem que anunciar o vencedor das eleições é o TSE -, mas também a incongruência que existe entre o tratamento que foi dado aos resultados por esse tribunal em 2013 e este ano tem gerado muita tensão entre a população, muita incerteza e movimentações nas ruas, como seria de se esperar”, destacou Marisa.

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Mulheres começam a dirigir na Arábia Saudita

Abertura é reflexo de uma mobilização de quase três décadas em defesa dos direitos das mulheres sauditas; as primeiras campanhas pelo direito a dirigir ocorreram nos anos 1990