Trump reconhece Jerusalém como capital de Israel e transfere embaixada dos EUA para a cidade

Anúncio contraria acordos diplomáticos estabelecidos nas últimas décadas; Trump diz que vice-presidente Mike Pence irá para região em breve

Atualizada às 16h35

O presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou oficialmente nesta quarta-feira (06/12) que Washington passa a reconhecer Jerusalém como capital de Israel e que irá transferir a embaixada dos EUA de Tel-Aviv para a cidade. 


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Embora o Parlamento de Israel e prédios do governo estejam localizados em Jerusalém, nenhuma embaixada fica na cidade, uma vez que a capital reconhecida internacionalmente de Israel é Tel Aviv. A comunidade internacional mantém um posicionamento neutro em relação a Jerusalém e apoia que a cidade seja um “corpus separatum”, conforme sugerido pelas Nações Unidas em 1947 e que prevê que a cidade mantenha um “regime internacional” devido à sua importância para várias religiões.

“Quando eu assumi prometi olhar para os desafios do mundo com olhos abertos e pensamentos novos. Nós não resolveremos nossos problemas  repetindo as mesmas estratégias falhas do passado. Antigos problemas demandam uma nova abordagem. Meu anúncio marca o início de uma nova abordagem no conflito entre Israel e palestinos”, afirmou Trump. A decisão do presidente, no entanto, confronta a opinião dos principais aliados dos EUA e da comunidade internacional. Desde a última quarta-feira (05/12), líderes já contestavam a medida. 

Apesar da decisão, Trump se disse comprometido com um acordo de paz na região. “Com esse anúncio, eu reafirmo o longo comprometimento da minha administração com a paz”, afirmou. O mandatário disse também que o vice-presidente norte-americano, Michael Richard Pense, visitará Jerusalém em breve.

As medidas do presidente contrariam uma série de normas diplomáticas estabelecidas entre Washington e Oriente Médio nas últimas décadas, além de advertências de diversos líderes regionais e internacionais e pode colocar em cheque a possibilidade de um acordo de paz entre Israel e Palestina, aumentando impasses na região.

Segundo especialistas, a transferência de embaixada pode levar ainda mais alguns anos para que aconteça efetivamente.

Palestinos buscam apoio contra planos de Trump sobre Jerusalém

Trump deve reconhecer Jerusalém como capital de Israel nesta quarta

Sem citar Trump, papa Francisco pede respeito ao 'status quo' de Jerusalém

 

White House

Trump anunciou que EUA passam a reconhecer Jerusalém como capital de Israel em discurso na Casa Branca; vice Mike Pence acompanhou

Reações internacionais

O anúncio de Trump já vinha gerando reações da comunidade árabe desde a tarde de terça e pode incendiar uma região que atravessa tensões há décadas. A Liga Árabe pediu que Washington reconsiderasse sua decisão.

Tanto o rei Salman, da Arábia Saldita, quanto Abdel Fatah Al-Sisi, presidente do Egito, advertiram o presidente dos EUA a não avançar com sua tentativa de transferir a embaixada norte-americana para Jerusalém. Salmam afirmou que a medida poderia causar “a ira dos muçulmanos em todo o mundo”.

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, convocou 57 países-membros da Organização de Cooperação Islâmica (OIC) para uma reunião em dezembro que pretende debater as medidas anunciadas por Trump.

Segundo o porta-voz de Erdogan, Ibrahim Kalin, o presidente já conseguiu a confirmação de parceiros da região e conversou com lideranças do Irã, Arábia Saldita, Catar, Tunísia, Paquistão, Indonésia e Malásia, para uma possível ofensiva contra a decisão do mandatário norte-americano.

Na última terça-feira (05/12) o presidente turco já havia ameaçado o rompimento com Israel caso Jerusalém fosse reconhecida como capital pelos EUA. “Vamos levar essa luta até o fim, com determinação. Isso se trata de uma linha vermelha, que não pode ser ultrapassada, para os muçulmanos”, declarou.

A chefe de diplomacia da União Europeia (EU), Federica Mogherini, também se posicionou sobre a medida. “Qualquer ação que possa prejudicar” os esforços para a criação de dois Estados para israelenses e palestinos “deve ser absolutamente evitada”, afirmou a diplomata.

“Devemos encontrar um caminho por meio do diálogo para resolver a questão de Jerusalém como futura capital dos Estados, de forma que possamos fazer cumprir as pretensões de ambas as partes”, reiterou Mogherini.

O papa Francisco pediu “sabedoria e prudência para evitar novos elementos de tensão em um panorama mundial já convulsivo, marcado por tantos e cruéis conflitos”. Ele se reuniu com religiosos palestinos e afirmou que o “diálogo e o respeito devem ser recíprocos”.

“O meu pensamento vai, agora, para Jerusalém. Não posso deixar de expressar minha profunda preocupação pela situação que foi criada nos últimos dais e, ao mesmo tempo, fazer um sincero apelo para que todos se empenhem em respeitar o ‘status quo’ da cidade, em conformidade com as resoluções das Nações Unidas”, afirmou o líder católico, no Vaticano. 

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Democracia

Democracia

A construção e a defesa da democracia envolve muitas áreas: feminismo, educação, história. Conheça alguns títulos da Alameda Casa Editorial sobre o tema.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias