Homenagem à Caros Amigos

Como foi bacana chegar à banca de jornal e encontrar essa revista grandona, cheia de texto, falando coisas que eram totalmente não ditas nos grandes jornais

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Quando surgiu a Caros Amigos, eu achei o nome meio velho, ainda que eu fosse e hoje seja mais ainda um grande admirador do Chico Buarque.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Achava que a revista era confusa, e até me incomodava com certo conservadorismo em colunistas, como Leo Gilson Ribeiro e outros que eram nacionais e populares demais para o meu gosto.

Achava ela incerta, com números incríveis (como o perfil do empreiteiro Cecilio Rego Almeida) e números chatíssimos. Se eu fazia tantas críticas, é porque eu não podia deixar de ler, né? Como foi bacana chegar à banca de jornal e encontrar essa revista grandona, cheia de texto, falando coisas que eram totalmente não ditas nos grandes jornais.

A Caros Amigos foi a revista mãe de todos os projetos jornalísticos independentes que surgiram depois.

A direita tentou com a República, depois Bravo!, depois Primeira Leitura. Apesar de fontes de financiamento muito mais consolidadas, faliram.

Esquerda brasileira passa por crise 'muito diferente' da latino-americana, diz Haddad

Judith Butler responde aos ataques de ódio sofridos no Brasil

Presidente de ONG detalha em julgamento na Itália funcionamento de aparelho repressivo da ditadura no Brasil

 

Reprodução

A primeira e a última edições de Caros Amigos: o fim de uma era

À esquerda com a Caros Amigos nos anos 1990, tivemos a Atenção!, que durou 13 números. Depois, surgiu a possibilidade de fazer imprensa na internet. E novos projetos surgiram.

Um monte de gente abriu e faliu nesse tempo, com muito, pouco ou nenhum dinheiro. Alguns continuam (vide Cult), e a Caros Amigos se segurou por duas décadas com pouca ou nenhuma publicidade oficial, com pouca ou nenhuma publicidade privada, com e depois sem o Sérgio de Souza, com um posicionamento político bacana, de resistência.

Resistiu até a essa situação em que cada assinatura vendida é um custo a mais, porque o que os leitores estão dispostos a pagar mal cobre a impressão e o envio da revista.

A Caros Amigos deu certo por 20 anos. Parabéns a todo mundo que participou desse projeto. Parabéns mesmo.

PS - A Caros Amigos cedeu suas páginas para três edições históricas do especial LITERATURA MARGINAL, organizadas por Ferréz. Esses números deram legitimidade a toda uma cena literária em São Paulo. Só por isso já teria sido imprescindível.

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

O livro que você quer!

O livro que você quer!

A Editora Alameda selecionou 31 títulos especialmente para você, leitor de Opera Mundi. Alguns destaques: Vila Buarque, o caldo da regressão, de Marcos Gama; Autoritarismo e golpes na América Latina, de Pedro Estevam Serrano; Machado de Assis - a Poesia Completa; A formação do mercado de trabalho no Brasil, de Alexandre de Freitas Barbosa; Nós que amamos a revolução, de Américo Antunes; Jorge Amado na Hora da Guerra, de Benedito Veiga; Da Pizza ao Impeachment, de Roberto Grün; Tsimane, de Aline Vieira, e Casa da Vovó, de Marcelo Godoy. A lista é incrível, aproveite. Tem alguns descontos convidativos e o frete é grátis para todo o Brasil.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias