Deputados da Argentina aprovam reforma da previdência em sessão longa marcada por protestos

Texto proposto pelo presidente Mauricio Macri foi aprovado com margem apertada; sessão foi marcada por protestos violentos em torno do Congresso e por greve geral

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Os deputados da Argentina aprovaram na manhã desta terça-feira (19/12) a reforma da previdência, que gerou protestos – inclusive com uma greve geral – em todo o país. A sessão, aberta na segunda (18/12) à noite, durou mais de 12 horas e só terminou às 8h20 (hora de Brasília, 7h20 em Buenos Aires) de hoje.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

O texto foi aprovado com 128 votos a favor e 116 contra, além de duas abstenções. O governo contou com votos de deputados peronistas que seguiam orientações de governadores de províncias favoráveis à reforma, por conta do alto endividamento de seus territórios.

A série de protestos contra a reforma deixou ao menos 162 pessoas feridas entre manifestantes e policiais, informam as autoridades de Saúde.

Destes, 88 eram agentes que tentavam impedir os grupos de se aproximarem dos prédios públicos, onde os deputados discutiam o tema. Segundo dados da polícia, ao menos 60 pessoas foram presas durante os protestos.

Apesar de o ápice dos confrontos ter ocorrido durante a tarde e o início da noite, as manifestações seguiram noite adentro também em outras cidades argentinas.

Votação de reforma da previdência na Argentina é adiada após protestos populares

Governo da Argentina destitui chefe da Marinha por desaparecimento de submarino

Centrais sindicais convocam greve de transportes contra reforma da previdência na Argentina

 

Câmara dos Deputados da Argentina

Deputados da Argentina aprovaram reforma da previdência de Macri

O maior momento de tensão ocorreu quando um grupo tentou entrar no Congresso e, como foram impedidos por um cordão policial, muitos manifestantes começaram a jogar garrafas, pedras e pedaços de madeira contra os agentes.

A votação aconteceu sob um clima de tensão inclusive entre os deputados, que trocaram uma série de insultos durante as longas horas de sessão.

O projeto de reforma da previdência prevê um corte de cerca de US$ 5,7 milhões nos pagamentos mínimos, nas atribuições universais e nas aposentadorias dos veteranos das Malvinas, em um impacto na vida de cerca de 17 milhões de pessoas.

Segundo o governo, a mudança no cálculo vai beneficiar os aposentados no médio e longo prazo, mas a oposição e os sindicatos afirmam que a renda deles vai cair por conta do avanço da inflação.

Por causa do projeto, que é apoiado pelo presidente Mauricio Macri, as centrais sindicais convocaram uma greve de 24 horas que atinge todo o setor de transportes - nacional e internacional - além de serviços de banco e comércio.

Na última quinta-feira (14/12), cenas de violência parecidas foram vistas nas ruas argentinas e o governo decidiu passar a votação para esta semana.

(*) Com Ansa

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

'Não podemos mais confiar na Casa Branca'

Ministro do Exterior da Alemanha reage às declarações de Trump, que descreveu a UE como um 'inimigo' dos EUA no comércio. Heiko Maas convoca uma Europa 'unida e soberana' para preservar a parceria com Washington