Aula Pública Opera Mundi: O caso do Quênia - como são formadas as elites africanas?

Melvina Araújo, doutora em antropologia social e professora da Unifesp, discute tensões na construção social de países africanos

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Opera Mundi

Na Aula Pública, Melvina explica como a colonização cumpriu papel fundamental na constituição dos países africanos


As elites tradicionais africanas são formadas a partir de princípios e hierarquias locais. Nesse sentido, cada linhagem ou cada grupo familiar terá os seus costumes, resultando em particularidades em cada país. Com a colonização e a entrada dos missionários — estes responsáveis por levar a "cultura" europeia e ocidental aos povos africanos — temos uma rede complexa de interesses e tensões políticas. Para compreender a realidade de cada país africano, é necessário um olhar mais específico para os movimentos de colonização e resistência.

Essa é a análise de Melvina Araújo, doutora em antropologia social e professora da Unifesp, ao discutir como são formadas as elites africanas, na Aula Pública.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Organizadora do livro digital Cultura Afro-brasileira: temas fundamentais em ensino, pesquisa e extensão (editora Alameda; disponível gratuitamente aqui), Araújo explica que, no caso do Quênia, os nativos escolarizados cumpriram papel fundamental na contestação ao poder das elites tradicionais e à colonização.

"O questionamento da colonização não veio das elites tradicionais. Sobretudo entre as colônias britânicas, as elites tinham uma relação de proximidade com os colonizadores. Foram os nativos escolarizados que passaram a contestar a colônia", conta Araújo. Assista à aula e entenda mais detalhes desse processo.

Aula Pública Opera Mundi: qual a influência da comunicação nos fluxos migratórios?

Em meio a boicote e violência, Quênia repete eleição presidencial cancelada em agosto

'Nunca aceitaremos o golpe de Estado militar no Zimbábue', diz líder da União Africana

 

Assista ao primeiro bloco da Aula Pública com Melvina Araújo: como são formadas as elites africanas?



No segundo bloco, a professora Melvina responde perguntas do público da Unifesp, em Guarulhos. 




"No caso das colônias britânicas, os países carregaram os próprios modelos do Reino Unido, ou seja, o modelo de separar as etnias. Por exemplo, temos os irlandeses de um lado, gauleses de outro, ingleses de outro e assim por diante. No processo de colonização, essa forma de encarar as diferentes etnias foi transposta para os africanos", analisa.

Leia Mais

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Mulheres começam a dirigir na Arábia Saudita

Abertura é reflexo de uma mobilização de quase três décadas em defesa dos direitos das mulheres sauditas; as primeiras campanhas pelo direito a dirigir ocorreram nos anos 1990