Venezuela declara embaixador do Brasil em Caracas 'persona non grata'; ato equivale à expulsão

Informação foi dada pela presidente da ANC, Delcy Rodríguez; Itamaraty diz que irá aplicar 'medidas de reciprocidade correspondentes'

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Atualizada às 18h55

O embaixador do Brasil na Venezuela, Ruy Pereira, foi declarado “persona non grata” pela Assembleia Nacional Constituinte do país, anunciou neste sábado (23/12) a presidente do órgão, Delcy Rodríguez. A medida significa, na prática, a expulsão do representante diplomático do país. O encarregado de negócios do Canadá, Craib Kowalik, sofreu a mesma sanção.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

"Decidimos declarar persona non grata o embaixador do Brasil até que se restitua o fio constitucional que o governo de facto [de Michel Temer] vulnerou neste país irmão", disse Rodríguez. Segundo o jornal Folha de S.Paulo, Pereira está no Brasil e, enquanto a declaração não for sustada, ele não pode voltar a Caracas.

Já contra o canadense, a presidente da ANC disse que o título de "persona non grata" foi dado “por sua permanente, insistente, grosseira e vulgar intromissão nos assuntos internos da Venezuela”.

Em comunicado, o Itamaraty afirmou que, "caso a declaração seja confirmada", a decisão demonstrará “uma vez mais o caráter autoritário da administração Nicolás Maduro e sua falta de disposição para qualquer tipo de diálogo. O Brasil aplicará as medidas de reciprocidade correspondentes.”

Segundo a Convenção Internacional de Viena sobre Relações Consulares, documento que rege os órgãos diplomáticos, declarar um representante de outro país como "persona non grata" equivale a determinar que a nação emissora o retire da receptora.

Pelo quinto ano, presença feminina nas bases dos movimentos populares supera a masculina na Venezuela

Governo e oposição venezuelana dialogam em Santo Domingo

Petrolíferas de Venezuela e Rússia assinam acordo energético

 

AVN

Presidente da ANC disse que embaixador brasileiro foi declarado "persona non grata" na Venezuela

Canadá

Em outubro, o chanceler venezuelano, Jorge Arreza, entregou pessoalmente a Kowalik uma carta em que protestava contra o que Caracas chama de “ingerência” de Ottawa nos assuntos internos do país.

O governo canadense que não iria reconhecer os resultados da eleição regional, na qual o chavismo conquistou 18 de 23 Estados. A ministra das Relações Exteriores do Canadá, Chrystia Freeland, afirmou na oportunidade, em um comunicado, que seu país estava "muito preocupado com as ações do regime venezuelano para dificultar a realização de eleições livres e justas, especialmente via o controle anticonstitucional do Conselho Nacional Eleitoral (CNE)".

Na resposta, Arreaza disse que “o governo bolivariano jamais se meteu nos assuntos internos dos canadenses”. Na época, o presidente Nicolás Maduro chamou para consultas o embaixador venezuelano no Canadá, Wilmer Barrientos, em um gesto considerado de alta voltagem diplomática.

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

'Não podemos mais confiar na Casa Branca'

Ministro do Exterior da Alemanha reage às declarações de Trump, que descreveu a UE como um 'inimigo' dos EUA no comércio. Heiko Maas convoca uma Europa 'unida e soberana' para preservar a parceria com Washington

 

'Trump me disse para processar a UE', afirma May

Após presidente dos EUA declarar que primeira-ministra do Reino Unido ignorou conselho dele sobre o Brexit, líder britânica revela qual foi a sugestão do americano: não entrar em negociações com a União Europeia