Japão apresenta menor taxa de natalidade desde 1899

rfi - português do brasil
Taxa de natalidade no Japão baixou pelo sexto ano consecutivo em 2017 e a nação conta hoje com menos de um milhão de recém-nascidos

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

A taxa de natalidade no Japão baixou pelo sexto ano consecutivo em 2017 e a nação conta hoje com menos de um milhão de recém-nascidos. Fato inédito desde 1899, que marca o início dessas estatísticas no país.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

O Japão tem a segunda taxa de natalidade mais baixa no mundo, ficando atrás apenas da Coreia do Sul: 1,4 filho por mulher. Em 2017, o país chegou a 944 mil nascimentos, ficando abaixo do teto de um milhão.

De acordo com um pesquisador da universidade de Tohoku, o Japão tem menos uma criança a cada 100 segundos e, se esse ritmo continuar, o país não terá nenhuma em 3011. Desde 2008 o número de mortes é superior ao de nascimentos. Somente nesse ano, o Japão perdeu o equivalente a uma cidade média, ou seja, cerca de 400 mil habitantes.

País de robôs

Para lutar contra essa queda no número de nascimentos, o governo anunciou a criação de um serviço de creche exclusivo para famílias de baixa renda. A cidade de Tóquio também deve assegurar a gratuidade da educação dessas mesmas crianças até a universidade.

Apesar das estatísticas impressionantes, o primeiro-ministro Shinzo Abe se mantém otimista: a queda da taxa de natalidade e a diminuição da população não são um mal, em sua opinião. Ele diz confiar na robótica e na inteligência artificial para reforçar a produtividade do país. Conservador, Shinzo Abe nem menciona a possibilidade de abrir as fronteiras aos estrangeiros para solucionar o problema.

Japão pede aumento de orçamento de defesa após míssil norte-coreano

Tribunal responsabiliza governo e operadora por desastre de Fukushima

Abe vence eleição e pode ter apoio para mudar Constituição do Japão

 

Toshihiro Gamo/Flickr/CC

Tóquio, capital do Japão: taxa de natalidade no país é a menor desde 1889

(*) Da RFI

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

'Não podemos mais confiar na Casa Branca'

Ministro do Exterior da Alemanha reage às declarações de Trump, que descreveu a UE como um 'inimigo' dos EUA no comércio. Heiko Maas convoca uma Europa 'unida e soberana' para preservar a parceria com Washington

 

'Trump me disse para processar a UE', afirma May

Após presidente dos EUA declarar que primeira-ministra do Reino Unido ignorou conselho dele sobre o Brexit, líder britânica revela qual foi a sugestão do americano: não entrar em negociações com a União Europeia