Metade dos alemães quer saída antecipada de Merkel

Deutsche Welle
Pesquisa aponta que 47% dos entrevistados querem que chanceler federal alemã deixe o cargo antes do fim da próxima legislatura. Diante de incerteza quanto à coalizão de governo, 24% apostam em novas eleições

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

As dificuldades para formar uma coalizão de governo na Alemanha parecem ter abalado o apoio à chanceler federal do país, Angela Merkel. Segundo uma pesquisa de opinião divulgada nesta quarta-feira (27/12), quase metade dos alemães é a favor de que Merkel deixe seu posto antes do tempo.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

De acordo com a enquete, encomendada pela agência de notícias dpa e realizada pelo instituto de opinião YouGov, 47% dos entrevistados deseja que a presidente da União Democrata Cristã (CDU) deixe o cargo de chanceler federal antes de 2012, quando termina a legislatura. Outros 36% querem vê-la à frente do governo por mais quatro anos.

Pouco depois das eleições do último dia 24 de setembro, o apoio a Merkel era notavelmente maior. Na pesquisa feita pelo YouGov no início de outubro, 36% se posicionaram a favor de uma saída antecipada da chanceler federal, enquanto 44% queriam que ela permanecesse até 2021.

Foto: Laura Kotila/ Finnish Government

Diante de incerteza quanto à coalizão de governo, 24% apostam em novas eleições.

Conferência do Clima em Bonn adia decisões importantes

Empresas alemãs sob suspeita em caso de submarino argentino

Relatório final confirma colaboração da VW do Brasil com ditadura e diz que empresa era 'leal' a militares

 

Entre os eleitores conservadores, no entanto, o apoio a Merkel foi mantido. Somente 17% deles quer que ela deixe o cargo antes do tempo, e 75% defendem que ela comande o governo por outros quatro anos.

Reedição da "grande coalizão"?

No poder há 12 anos, Merkel e seu partido, a CDU, estão enfraquecidos, após perderem terreno para os populistas na eleição de setembro e depois do fracasso na negociação de uma tríplice aliança, com verdes e liberais, em novembro. Por isso, a chanceler deposita toda a sua esperança no SPD para evitar novas eleições.

Inicialmente, os social-democratas haviam prometido ir para a oposição depois do revés na eleição, mas em meados de dezembro foram convencidos a iniciar sondagens sobre a possibilidade de formar o próximo governo alemão. Em 7 de janeiro terá início a próxima rodada de conversas entre o SPD e os conservadores da CDU e do partido-irmão União Social Cristã (CSU).

De acordo com a pesquisa do YouGov, 41% dos entrevistados acredita que haverá uma reedição da grande coalizão entre conservados e social-democratas, 13% preveem um governo de minoria, e 24% apostam em novas eleições.

Se houvesse uma eleição direta para chanceler federal, 47% optariam por Merkel, enquanto 19% escolheriam Martin Schulz, líder do SPD.

LPF/dpa/rtr

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias