Irã: Manifestantes pró-aiatolá Khamenei vão às ruas em todo o país

Aiatolá disse que protestos dos últimos dias – que registraram mais de 20 mortos e 450 prisões – aconteceram por causa da 'união dos inimigos do Irã'

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O Irã registrou nesta quarta-feira (03/01) manifestações pró-aiatolá Khamenei, após dias de mobilizações – violentas – contra a situação econômica do país e o governo.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Os meios de comunicação oficiais falam de centenas de milhares de pessoas que foram às ruas em Tabriz, Ahvaz, Joram Abad, Hamedán, Kermanshah, Qom e Maraque, entre outras cidades, nas quais reafirmaram seu apoio ao líder supremo do país.

“Morte aos EUA”, “Morte a Israel” e “Morte ao agitador” foram algumas das mensagens que os manifestantes levaram às ruas. O governo iraniano acusa Washington, Tel-Aviv e Riad de fomentarem os protestos na nação persa.

Segundo Khamenei, os protestos dos últimos dias – que registraram mais de 20 mortos e 450 prisões – aconteceram por causa da “união dos inimigos do Irã”, que teriam utilizado “todos os meios” para causar problemas.

Série de protestos no Irã tem ao menos dois mortos

Ao menos 23 morrem em protestos no Irã, diz mídia estatal

Irã: protestos sem liderança levantam suspeitas de manipulação das redes

 

Reprodução/IRIB

Manifestantes pró-aiatolá foram às ruas no Irã

Os atos começaram na cidade de Mashhda contra a inflação e a alta no desemprego, mas se espalhou para outras localidades com diversas pautas, do combate à corrupção à destituição do aiatolá, tornando-se os maiores desde 2009.

Apesar de, no início, as autoridades iranianas mostrarem uma postura dura contra os manifestantes, o presidente Hassan Rouhani fez um pronunciamento em que dizia que os iranianos são "livres para se manifestar", mas que não seriam tolerados danos "aos prédios públicos".

União Europeia

A alta representante da União Europeia para a Política Externa e Segurança, Federica Mogherini, afirmou nesta quarta que o bloco "está acompanhando de perto as manifestações no Irã" e destacou que é "inaceitável a perda de vidas humanas" durante os atos.

Para a chefe da diplomacia europeia, as "demonstrações pacíficas e a liberdade de expressão são direitos fundamentais que se aplicam a todos os países, e o Irã não é uma exceção a isso". "Esperamos que todas as pessoas envolvidas se abstenham da violência", destacou ainda Mogherini.

(*) Com teleSUR e Ansa

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

A música nos livros

A música nos livros

Música clássica, música popular, música engajada, música e política, música num romance policial. Se você gosta de música, não pode deixar de conhecer esses 20 títulos da editora Alameda. Clique aqui e confira. O frete é grátis.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias