Sobre os acontecimentos recentes no Irã: Declaração do Tudeh, o Partido Comunista do país

Irã é um país capitalista e, embora haja eleições abertas, vive sob um regime autoritário, que reprime a organização dos trabalhadores e persegue os comunistas

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Muitas manifestações vêm ocupando as ruas de Teerã e outras cidades do Irã nos últimos dias. Os principais alvos são a inflação, o desemprego, os clérigos e o governo central. Mais de cinquenta manifestantes foram detidos em Mashhad, e a polícia reprimiu os atos com jatos d’água e bombas de gás.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

O presidente Rouhani, em seu segundo mandato, conseguiu um importante acordo internacional que garantiu a continuidade do programa nuclear iraniano, estratégico para o país, que ainda não se recuperou das sanções impostas pelos Estados Unidos por vários anos.

O Irã é um país capitalista e, embora haja eleições abertas, vive sob um regime autoritário, que reprime a organização dos trabalhadores e persegue os comunistas. O Irã é governado por um conselho religioso que detém o poder supremo, podendo, inclusive, vetar candidaturas a cargos eletivos. Paradoxalmente, o Irã tem um papel político importante no contexto do Oriente Médio, onde apóia a causa palestina e opõe-se à política sionista de Israel e aos interesses imperialistas dos Estados Unidos.

Para maior esclarecimento sobre a situação atual do Irã, reproduzimos, abaixo, a Declaração política do Partido Comunista do Irã – Tudeh.

Declaração do Comitê Central do Partido Comunista do Irã (Tudeh)

A luta do povo do Irã – frustrado com a opressão, a tirania, os altos preços e o despotismo – contra a ditadura é real e não deve ser autorizada a ser arrebatada e desviada no interesse das forças reacionárias domésticas ou estrangeiras.

Queridos compatriotas,

A crise político-econômica do regime teocrático falido do Irã está crescendo e se aprofundando diariamente. O impacto desta crise pode ser observado nos conflitos do regime interno e nas revelações sem precedentes de lutas internas entre facções poderosas – revelando a profundidade de corrupção e opressão que prevalece no chamado “sistema exemplar do mundo”.

Ao menos 23 morrem em protestos no Irã, diz mídia estatal

Irã: protestos sem liderança levantam suspeitas de manipulação das redes

Irã: Manifestantes pró-aiatolá Khamenei vão às ruas em todo o país

 

Wikimedia commons

A pobreza em espiral, a privação, os altos preços e o desemprego crônico – que arruinaram a vida de uma grande parte da população e, em particular, da juventude – a destruição extensiva e desastrosa do meio ambiente, devido às políticas catastróficas do poder dominante, e a completa falência econômica do regime, bem como a escalada de pressões externas sobre o regime, criaram uma situação muito crítica e explosiva em nossa sociedade. Os chefes do regime, que vivem uma vida de luxo com uma fortuna sem precedentes, que acumularam nos últimos quarenta anos saqueando os recursos nacionais e a riqueza da nação, pedem às pessoas que sejam pacientes e tolerem as dificuldades para “proteger o regime islâmico “- um regime que não trouxe nada para nossa nação, exceto a destruição e a regressão cultural, política e econômica. Os governantes atuais mostraram na prática que seu único objetivo e desejo é salvar o atual regime despótico e a regra absoluta do clero de mentalidade obscura em nossa nação mesmo ao custo de crimes e tragédias.

Nas últimas semanas, testemunhou-se a escalada do descontentamento e as reuniões de protesto sem precedentes das pessoas em várias cidades, bem como amplos e extensos protestos trabalhistas contra os altos preços, a opressão e as injustiças perpetradas pelos órgãos de governo, do governo e do parlamento (Majlis), do Judiciário e do Corpo da Guarda Islâmica e da Liderança Religiosa Suprema, todos os quais protegem os interesses dos grandes capitalistas.

A escalada do descontentamento das pessoas em relação à situação existente e, mais importante ainda, a prontidão e disposição das massas enfurecidas e frustradas para assumir o aparelho supressor do regime é uma indicação dos desenvolvimentos significativos no nível de preparação das massas em oposição – e travando uma luta aberta contra – a regra da República Islâmica do Irã. Ao contrário das reivindicações de alguns líderes dos reformistas pró-regime que tais protestos são “conspirações”, acreditamos profundamente que a maioria das pessoas da nossa nação está desapontada e frustrada com os slogans daqueles cujos únicos objetivos são fazer alguma maquiagem e pequenos ajustes ao regime atual, e agora estão exigindo mudanças fundamentais na governança do país. Hoje, apenas aqueles que gostariam de preservar de alguma forma a atual situação desastrosa temem a escalada e o crescimento da luta popular.

A experiência das duas últimas décadas e várias eleições presidenciais, parlamentares e municipais que foram realizadas e manipuladas sob o controle e direção do Líder Supremo provaram que as pessoas estão se afastando rapidamente da estratégia de fazer uma escolha entre mal e pior, e não estão mais dispostos a submeter-se à manipulação de suas demandas pelo regime e pelos reformistas pró-regime que, em geral, desempenham o papel de corretores de poder dessa nação nos dias de hoje. A maioria das pessoas do país hoje quer pôr fim ao regime teocrático despótico; para acabar com a opressão e a injustiça e promover o estabelecimento da liberdade e da justiça social. Estas exigências só podem ser alcançadas através de uma luta conjunta de todas as forças nacionais e libertadoras sem a intervenção estrangeira.

Queridos compatriotas,

Ao mesmo tempo, deve notar-se que, sob as condições críticas das atuais tensões regionais perigosas, a reação regional – apoiada pela administração Trump nos EUA e o governo de direita de Netanyahu em Israel – procura intervir claramente na política interna em nosso país para substituir o atual regime reacionário por outro regime reacionário. O apoio dessas forças à reação regional, à administração Trump e ao governo de direita de Netanyahu, em conluio com os monarquistas iranianos e os grupos políticos cuja agenda é cooperar com os regimes mais reacionários da região e persuadir os estados europeus a impor sanções à economia iraniana – exacerbando assim a miséria para as pessoas indigentes e desfavorecidas de nosso país – e incentivar os estados estrangeiros a intervir militarmente no Irã, não deixa espaço para qualquer otimismo em relação aos futuros projetos de “oposição”.

As forças progressistas e libertadoras do Irã devem aumentar sua presença no movimento de protesto das massas – mais do que nunca – fornecendo slogans adequados para as pessoas, oferecendo orientação sensata e confiando nas legítimas demandas das massas para abolir o regime vigente e dar fim à privação econômica, opressão, injustiça e pilhagem dos recursos naturais e humanos da nação, evitando slogans reacionários e divisionistas. Não devemos deixar o passado se repetir, evitando que a luta heróica da nação pela liberdade, democracia e justiça social seja uma vez mais sequestrada por um monte de oportunistas reacionários que não acreditam nos direitos do povo ou nas liberdades democráticas.

A maneira de salvar o país é através de uma mobilização conjunta e organizada de todas as forças nacionais, antiditadura e amantes da liberdade para abolir o regime despótico e antidemocrático da Suprema Liderança. Nosso partido tem convicção resoluta de que o regime político dominante no Irã – um regime que se baseia na regra de um indivíduo como o “representante de Deus na Terra” que está acima e além de todas as leis e instituições governamentais executivas, o Legislativo, Judiciário e aparelho policial e militar – é um regime que deve ser derrubado, não reformado. Um regime democrático baseado em pessoas não pode ser criado através de qualquer reformulação do sistema atual. A solução é fazer uma luta conjunta e organizada de todas as camadas sociais – desde os trabalhadores e todos os trabalhadores até a juventude militante, estudantes, mulheres e intelectuais progressistas e amantes da liberdade – em torno de bandeiras populares contra o governo da tirania. A experiência da nossa história contemporânea demonstrou que os povos do Irã têm a capacidade de transmitir sua voz aos ouvidos da reação dominante. Mais uma vez, pedimos a todas as forças nacionais, progressistas e amantes da liberdade da nação para deixar de lado seus desentendimentos teórico-históricos e se mobilizar, ao lado do movimento popular, para efetivamente ajudar a luta – cujo objetivo é rejeitar a tirania e estabelecer o domínio do povo e da liberdade, paz, soberania e justiça social.

Comitê Central do Partido Tudeh do Irã

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

A música nos livros

A música nos livros

Música clássica, música popular, música engajada, música e política, música num romance policial. Se você gosta de música, não pode deixar de conhecer esses 20 títulos da editora Alameda. Clique aqui e confira. O frete é grátis.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias