Acordo da Petrobras de R$ 10 bi com investidores dos EUA atende ao 'deus mercado', dizem petroleiros

Presidente da Petrobras, Pedro Parente, propôs ressarcir investidores que compraram ações da empresa brasileira nos Estados Unidos

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Nesta quarta-feira (03/01), a Petrobras divulgou que propôs um acordo de quase R$ 10 bilhões (exatos R$ 9,62 bilhões, ou US$ 2,95 bilhões) para ressarcir investidores que compraram ações da estatal nos Estados Unidos – a Justiça norte-americana precisa aprovar a "operação". Se efetivado, o acordo encerrará as ações contra a companhia nos tribunais daquele país.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Em nota intitulada "Ao Deus Mercado, tudo", a Federação Única dos Petroleiros (FUP) critica duramente o acordo com investidores americanos, acionistas e detentores de títulos da estatal e afirma que a iniciativa objetiva satisfazer unicamente os interesses do capital privado e da especulação financeira.

"Por que a Petrobras está pagando um valor maior do que aquele que ela mesma reconheceu como desviado pela corrupção?", questiona a FUP. "O mercado está aproveitando o momento e usa a Lava Jato, que, disfarçada com o combate à corrupção, dá oportunidade a esse tipo de extorsão. Afinal, a quem a atual gestão atende?"

Como nasce o “prensado”

Justiça bloqueia candidatura de maior rival de Putin

Coreia do Norte reabre linha telefônica com sul-coreanos

 

Wikimedia Commons

Para petroleiros, acordo de empresa com investidores atende somente ao mercado

De acordo com os petroleiros, ao mesmo tempo em que a atual gestão da Petrobras "paga fácil para o mercado americano valores questionáveis, tenta renegociar a dívida interna tributária com o governo federal, ou seja, deixa de pagar dinheiro ao governo (brasileiro) para pagar ao mercado financeiro americano".

A FUP afirma que as decisões do presidente da companhia, Pedro Parente, vão na contramão dos interesses da indústria nacional para apoiar e beneficiar os fundos financeiros americanos. "O que aconteceu hoje reforça e fornece mais elementos que aumentam a percepção e geram desconfianças sobre a possibilidade de existência de conflitos de interesse e tráficos de influência na companhia e no seu plano de privatizações."

A federação cita o professor de Ciência Política e Economia na Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP) William Nozaki, que, em texto publicado na revista CartaCapital, afirma que "a despeito de alardear a eficiência de seu novo programa de governança, compliance e de seus testes de integridade para a nomeação do alto escalão da companhia (background check), é no mínimo curioso notar que parte dos diretores e conselheiros da Petrobras permanece atuando ou atuou em segmentos empresariais diretamente interessados no desmonte da Petrobras, com destaque para conexões que deságuam no setor financeiro".

(*) Publicado em Rede Brasil Atual

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias