Espionagem 'fofa': CIA tentou treinar gatinhos na Guerra Fria para roubar informações de soviéticos

Entre 1961 e 1966, uma equipe da inteligência estadunidense foi responsável literalmente por colocar um transmissor dentro do animal — a operação denominada Acoustic Kitten (bichano acústico, em português)

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

A história conhece exemplos de agentes duplos e até triplos: assim é o mundo dos serviços secretos, onde todos parecem suspeitos. Mas quem suspeitaria que um gatinho fofo fosse um agente capaz de enviar informação confidencial, estragando os planos do inimigo?


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Esta ideia ocorreu aos dirigentes da Agência Central de Inteligência norte-americana (CIA) nos anos 60, sendo um dos capítulos mais curiosos da Guerra Fria. A missão do animal, provavelmente inconsciente de sua missão de Estado, seria roubar informação dos soviéticos.

Entre 1961 e 1966, uma equipe da inteligência estadunidense foi responsável literalmente por colocar um transmissor dentro do animal — a operação denominada Acoustic Kitten (bichano acústico, em português). Dentro dos ouvidos do gato foram instalados microfones, baterias e até uma antena para transmitir os dados recolhidos por este agente incomum.

Paquistão convoca embaixador dos EUA após críticas de Trump

Coreia do Norte reabre linha telefônica com sul-coreanos

Acordo da Petrobras de R$ 10 bi com investidores dos EUA atende ao 'deus mercado', dizem petroleiros

 

Derek Yu/Flickr CC

EUA tentou usar gatos como espiões durante Guerra Fria

Hoje em dia, a própria ideia provocaria protestos dos ativistas de proteção dos diretos dos animais. Talvez naquele período a reação tivesse sido a mesma, mas o estatuto secreto da operação fez com que só fosse revelada anos depois. Mais tarde, o equipamento dentro do animal foi modernizado para que ele não se distraísse ao sentir fome.

Esta nova tecnologia, implantada no gato, aumentou o custo total do projeto para 20 milhões de dólares (hoje, o equivalente a US$ 161 milhões, R$ 520 milhões), um valor exorbitante para aquele tempo.

O dinheiro foi gasto em vão, pois o fim do gato foi trágico: durante o primeiro teste fora do laboratório, o animal saltou do carro onde era mantido e foi logo atropelado por um táxi, ficando reduzido a um cadáver com cabos.

Alguns dos documentos sobre a operação foram desclassificados, mas muitos continuam sendo secretos. Naquele período, a CIA tinha medo que os agentes soviéticos pudessem se apoderar da tecnologia.

Em um documento desclassificado da inteligência norte-americana, especialistas concluem que "o programa [de gatos treinados] não se adequa às nossas necessidades altamente especializadas", apesar do valor científico que teve o teste empírico de treinamento.

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Os supersalários das Forças Armadas

Nossa reportagem levantou todos os salários de militares e encontrou centenas acima do teto, indenizações de mais de R$ 100 mil e valores milionários pagos no exterior