Tunísia: exército ocupa cidades para controlar protestos contra medidas de austeridade

rfi - português do brasil
Governo enviou soldados para Thala, perto da fronteira com a Argélia, onde a sede da Segurança Nacional foi incendiada pelos manifestantes, e para Sousse, Kébili e Bizerte

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

As Forças Armadas da Tunísia ocuparam diversas cidades do país nesta quinta-feira (11/01), onde diversas manifestações contra a política de austeridade do governo deixaram, até agora, pelo menos um morto. Mais de 300 manifestantes foram presos na madrugada desta quarta-feira (10/11).


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

O governo enviou soldados para Thala, perto da fronteira com a Argélia, onde a sede da Segurança Nacional foi incendiada pelos manifestantes, obrigando a polícia a se retirar da cidade, segundo testemunhas. As Forças Armadas também estão presentes em Sousse, Kébili e Bizerte, para proteger os prédios públicos.

Na segunda-feira, um movimento contra as medidas de austeridade, que entraram em vigor no dia 1 de janeiro, desencadeou uma batalha contra o exército tunisiano. Diversas cidades foram saqueadas.

Série de protestos no Irã tem ao menos dois mortos

Ao menos 23 morrem em protestos no Irã, diz mídia estatal

Irã: protestos sem liderança levantam suspeitas de manipulação das redes

 

David Stanley/Flickr CC

Cidade de Sousse, destino turístico da Tunísia, é uma das ocupadas pelo exército

A população protesta contra a alta dos preços dos combustíveis, dos automóveis, da telefonia e do acesso à Internet decididas no orçamento de 2018. O partido islâmico Ennahda, que participa da coalizão governamental, pediu um aumento do salário mínimo e um aumento das ajudas públicas para as famílias mais necessitadas.

De acordo com o porta-voz do Ministério do Interior, Khelifa Chibani, mais de 600 pessoas foram presas desde segunda-feira. Diante da contestação, o primeiro-ministro tunisiano, Youssef Chahed, lançou um alerta contra os manifestantes, dizendo que “o Estado protegerá suas instituições e seu povo”.

Escola judaica

Na lha de Djerba, uma escola judaica foi alvo nesta terça-feira (09/01) de foguetes que provocaram estragos sem deixar vítimas, de acordo com o chefe da comunidade judaica local, Perez Trabelsi.

No local está situada a mais antiga sinagoga da África, El Ghriba, alvo em 2002 de um atentado reivindicado pela Al Qaeda, que deixou 21 mortos.

(*) Publicado na RFI

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias