Equador concede nacionalidade a Julian Assange, refugiado na embaixada do país em Londres

Com a identidade e o passaporte equatorianos, Assange passa a ter os mesmos direitos dos cidadãos do país, mas documentos não impedem que ele seja preso caso saia da embaixada

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O governo do Equador confirmou nesta quinta-feira (11/01) que concedeu nacionalidade ao fundador do site Wikileaks, Julian Assange. A informação havia sido divulgada nesta terça (10/01) pelo jornal local El Universo


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Segundo a chanceler equatoriana María Fernanda Espinosa, que deu uma entrevista coletiva à imprensa nesta quinta, o próprio australiano requisitou a documentação e o processo se iniciou no dia 12 de dezembro. O jornal já havia afirmado que o australiano tem uma cédula equatoriana com um "código correspondente à província de Pichincha" e recebeu um passaporte do país no dia 21 de dezembro do ano passado.

Assange está refugiado na Embaixada do Equador em Londres há mais de cinco anos e é protegido pelas autoridades do país para não ser preso por denúncias de estupros feitas por duas mulheres na Suécia. As acusações foram arquivadas, mas o medo do australiano é acabar detido assim que deixar a sede da embaixada.

O temor do fundador do Wikileaks, que revelou milhares de documentos secretos dos Estados Unidos, é que a acusação seja uma "desculpa" para extraditá-lo para os EUA, onde responderia por vazar dados sigilosos.

Com a identidade e o passaporte equatorianos, Assange passa a ter os mesmos direitos dos cidadãos do país, mas os papeis não impedem que ele seja preso caso saia da embaixada.

Terremoto atinge Guayaquil, maior cidade do Equador

Aula Pública Opera Mundi: o que a saída do Reino Unido representa para a União Europeia?

Vice-presidente do Equador é condenado a 6 anos de prisão; defesa fala em falta de evidências

 

Twitter/Reprodução

Assange com a camisa da seleção equatoriana de futebol: ele ganhou nacionalidade equatoriana

Situação 'insustentável'

Ainda ontem, antes da revelação do jornal, Espinosa afirmou em coletiva de imprensa que a situação de Assange é "insustentável" do ponto de vista humano e que está planejando uma "mediação" para encontrar uma solução.

De acordo com ela, o mediador poderia ser "tanto um terceiro país como uma personalidade". Quito deseja que o Reino Unido dê um "salvo-conduto" para que Assange possa sair da nação sem ser preso.

Hoje, Espinosa lembrou que qualquer movimento de Assange para fora da embaixada em Londres precisa ser discutida antes com o governo britânico. “Gostaríamos que viesse, mas qualquer movimento do asilado [Assange] fora da embaixada é algo que se deve acordar com o Reino Unido”, disse.

Por sua vez, a Grã-Bretanha rejeitou reconhecer o "status diplomático" de Assange, que teria sido oferecido pelo Equador, informou um porta-voz do Foreign Office. De acordo com o representante, o país sul-americano havia feito a proposta para resolver o caso do australiano. Para Londres, ele só poderá sair do local "se decidir enfrentar a lei". 

(*) Com Ansa

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias