Inflação na Argentina supera meta do governo Macri e chega a 24,8% em 2017

Número superou em 7,8 pontos percentuais o índice de 17% prometido pelo Banco Central e pelo presidente no início do ano

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

A Argentina encerrou o ano de 2017 com uma inflação de 24,8%, informou um relatório divulgado pelo Instituto Nacional de Estatística e Censos (Indec) divulgado nesta semana. O número superou em 7,8 pontos percentuais o índice de 17% prometido pelo Banco Central e pelo presidente, Mauricio Macri, no início do ano.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

De acordo com o Indec, o mês de dezembro registrou um aumento de 3,1% nos preços, representando o período de inflação mais alta de 2017 no país. Segundo o jornal argentino Página 12, os aumentos de dezembro do ano passado foram impulsionados pela alta de preços dos serviços públicos, combustível e serviços pré-pagos.

O item "transportes" subiu 3,2% em dezembro. Em todo 2017, o incremento foi de 20,6%. O maior índice foi registrado na região da Patagônia, onde os preços da categoria subiram 27,1%. O governo da Argentina reajustou, no começo do ano, as tarifas de transporte público da cidade de Buenos Aires, o que deve afetar os índices de inflação de 2018 e puxar para cima outros itens. 

Reprodução/Kremlin

Número representa 7,8 pontos a mais do que o índice de 17% prometido pelo Banco Central e pelo presidente, Mauricio Macri, no início do ano

Agências internacionais de notícias publicam 'mentiras' sobre Venezuela, diz Maduro

FBI não encontra provas de suposto 'ataque sônico' contra embaixada dos EUA em Cuba

Deputado constituinte é morto na Venezuela; governo fala em crime político e quer investigação

 

Segundo o relatório, os itens "habitação, água, eletricidade, gás e outros combustíveis" sofreram um aumento de 17,8% em dezembro.

O relatório também indicou uma alta de preços nos serviços de comunicação. No ano passado, os valores desses itens subiram 34,1%, sendo que os maiores reajustes dessa categoria são de aparelhos celulares e telefonia móvel.

No final de 2017, o governo anunciou mudanças nas metas de inflação para 2018, estabelecendo 15% como teto - uma elevação de cinco pontos percentuais em relação à antiga meta. Em 2016, a inflação fechou em 40,9%.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias