Brasil, México e Venezuela: eleições vão redesenhar mapa político da América Latina

Neste ano, sete países vão escolher novos presidentes; cenário é indefinido quanto à retomada da esquerda na região

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Para a América Latina, 2018 será um ano crucial para a política regional e internacional. Seis países irão passar por eleições presidenciais importantes, como é o caso de Brasil, México, Colômbia e Venezuela. Além disso, Cuba terá, pela primeira vez desde o triunfo revolucionário, a escolha, pela Assembleia Nacional, de um presidente da nova geração que não participou diretamente da Revolução de 1959.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Para Igor Fuser, professor de Relações Internacionais da Universidade Federal do ABC (UFABC), as eleições na região se situam em um contexto de embate entre a supremacia estadunidense e a autonomia dos povos latino-americanos.

"De um lado, [temos] o esforço dos Estados Unidos de restabelecer a supremacia de seus interesses na América Latina e reforçar o poder das classes dominantes por meio de políticas neoliberais. E, do outro lado, a resistência dos povos da América Latina na busca por maior autonomia, por melhores condições de vida, por maior igualdade social e desenvolvimento econômico", ressalta.

Guilherme Imbassahy/Jornalistas Livres

Eleições regionais na Venezuela, em 2017 

Nesse sentido, a região acompanha com atenção o processo eleitoral no Brasil. A votação é considerada, por especialistas, como uma das mais imprevisíveis desde a redemocratização do país.

A jornalista peruana Veronica Goyzueta, que trabalha como correspondente internacional, define a imprevisibilidade como ponto comum em todas as eleições latino-americanas. Ela destaca os cenários eleitorais no Brasil e no México como fundamentais para a definição do contexto regional. "Caso Lula seja candidato no Brasil e caso [Andrés Manuel] López Obrador consiga ganhar no México, a gente vai ter uma virada de dois governos que são super importantes".

De acordo com ela, os cenários fragmentados ainda não revelam a possível tendência de renovação da esquerda ou de avanço do conservadorismo no continente.

Oito perguntas e respostas para entender as eleições no Chile

Lula é vítima de 'ativismo judicial', diz ex-ministro da Justiça Eugênio Aragão

Acadêmico norte-americano cria movimento pela democracia no Brasil

 

O jornalista pós-graduado em Políticas e Relações Internacionais José Reinaldo Carvalho aponta que as forças no México estão divididas, o que pode dificultar a vitória de López Obrador, fundador e atual líder do partido de esquerda Movimento de Regeneração Nacional (Morena).

"O que está em jogo no México é a velha luta para que as forças democráticas, populares, patrióticas, antineoliberais, consigam derrotar o governo neoliberal do [Enrique] Peña Nieto", diz.

Além do México, Carvalho ressalta a importância das eleições na Colômbia como forma de "redesenhar o mapa político latino-americano". Ele lembra que será a primeira eleição presidencial após a assinatura do acordo de paz com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), que pôs fim a meio século de guerra civil no país.

"Antes da questão direita/esquerda e antes da questão neoliberalismo/não neoliberalismo, o problema principal é se as eleições vão garantir a continuidade do processo de paz, que, infelizmente, já está muito ameaçado mesmo antes das eleições", ressalta.

Na Colômbia, a última pesquisa de intenção de votos registra liderança do candidato Sergio Fajardo, ex-prefeito de Medellín, que se apresenta como um independente "nem de esquerda, nem de direita, nem de centro".

O jornalista José Arbex Jr. destaca também a questão venezuelana como dramática, "não apenas pela conjuntura atual de crise, mas por tudo o que o bolivarianismo do [ex-presidente] Hugo Chávez representou na história recente da América Latina".

"O que está em disputa na Venezuela não é a simples condição do país e o controle do petróleo nacional. Está em disputa a perspectiva histórica aberta pelo bolivarianismo. Nesse sentido, a eventual derrota na Venezuela representará, simbolicamente, um golpe muito profundo nas esquerdas do hemisfério", analisa.

Cuba também vai determinar, em março, quem sucederá o presidente Raúl Castro. A eleição no país se dá em um processo indireto, com a indicação do mandatário pelo Congresso eleito pelo povo.

Outros dois países ainda vão passar por eleições presidenciais neste ano: Costa Rica, em fevereiro, e Paraguai, em abril.

Edição: Vanessa Martina Silva

Publicado originalmente no site do jornal Brasil de Fato

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

'Não podemos mais confiar na Casa Branca'

Ministro do Exterior da Alemanha reage às declarações de Trump, que descreveu a UE como um 'inimigo' dos EUA no comércio. Heiko Maas convoca uma Europa 'unida e soberana' para preservar a parceria com Washington

 

'Trump me disse para processar a UE', afirma May

Após presidente dos EUA declarar que primeira-ministra do Reino Unido ignorou conselho dele sobre o Brexit, líder britânica revela qual foi a sugestão do americano: não entrar em negociações com a União Europeia