Moscou teve apenas seis minutos de luz solar em dezembro

'Dezembro passado foi o mês mais escuro da história das observações meteorológicas', afirmou portal russo; último recorde foi em 2000, quando sol apareceu por três horas

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

A cidade de Moscou, na Rússia, teve apenas seis minutos de sol durante o mês de dezembro de 2017. Foi o que afirmou o portal de meteorologia russo Meteonovosti nesta segunda-feira (15/01).


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Segundo especialistas do site, o mês de dezembro é normalmente o período mais escuro do ano, alcançando uma média de 18 horas de luz solar. Porém, em 2017, o sol apareceu por apenas seis minutos. "Dezembro passado foi o mês mais escuro da história das observações meteorológicas", afirmou o portal.

Em entrevista para o site russo RBC, o chefe do centro de meteorologia da Rússia, Roman Vilfand, disse que "ocorreu uma situação extraordinária no ano", destacando o aumento da temperatura em 5.8 graus e a formção de ciclones devido à quantidade de nuvens que bloquearam o sol.

O último recorde da quantidade de sol em dezembro na Rússia, registrado pelo centro de meteorologia do país, foi no ano 2000, houve três horas de luz em Moscou.

Itália: partidos de centro anunciam apoio a Renzi nas próximas eleições

Justiça bloqueia candidatura de maior rival de Putin

Franceses pedem que Rússia pague dívida contraída por czares no século 19

 

Wikicommons

Dezembro foi o mês mais escuro da história das observações meteorológicas em Moscou, afirmou portal meteorológico

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

O livro que você quer!

O livro que você quer!

A Editora Alameda selecionou 31 títulos especialmente para você, leitor de Opera Mundi. Alguns destaques: Vila Buarque, o caldo da regressão, de Marcos Gama; Autoritarismo e golpes na América Latina, de Pedro Estevam Serrano; Machado de Assis - a Poesia Completa; A formação do mercado de trabalho no Brasil, de Alexandre de Freitas Barbosa; Nós que amamos a revolução, de Américo Antunes; Jorge Amado na Hora da Guerra, de Benedito Veiga; Da Pizza ao Impeachment, de Roberto Grün; Tsimane, de Aline Vieira, e Casa da Vovó, de Marcelo Godoy. A lista é incrível, aproveite. Tem alguns descontos convidativos e o frete é grátis para todo o Brasil.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Número de casos de sarampo cresce 400% na Europa em 2017

Segundo OMS, alta foi puxada por Romênia, Itália e Ucrânia; de acordo com entidade, surto se deve a vários fatores, como queda da cobertura vacinal, interrupção do fornecimento de vacinas e falhas nos sistemas de vigilância