Primeira-ministra da Nova Zelândia anuncia gravidez e vai tirar licença-maternidade

Durante a campanha, Jacinda Ardern foi questionada se tiraria licença caso ficasse grávida; ela classificou a pergunta como inaceitável, dizendo que a decisão de "quando ter filhos" é da mulher

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, anunciou nesta quinta-feira (18/01) que está grávida e que se afastará do cargo durante seis semanas após o nascimento do bebê, que está previsto para o mês de junho.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Em sua conta no Facebook, Ardern revelou sua gravidez e disse que ela e seu marido, Clarke Gayford, estão muito animados com a notícia. "Clarke e eu estamos muito animados que em junho nosso time irá aumentar de dois para três", escreveu a primeira-ministra. 

Ardern ainda destacou que irá "ser primeira-ministra e mãe" e seu marido será "um pai que ficará em casa", para cuidar do bebê. "Eu sei que haverá muitas perguntas e eu responderei todas", também escreveu a líder do Partido Trabalhista.

Durante a campanha eleitoral, Ardern foi questionada por um jornalista se seria válido uma premiê tirar licença-maternidade enquanto estivesse no cargo. "A pergunta é: é válido uma primeira-ministra sair em licença-maternidade enquanto estiver no cargo?", questionou, acrescentando que "o empregador em uma empresa precisa saber que tipo de mulher está empregando". 

A então candidata classificou a pergunta como "inaceitável". "É totalmente inaceitável, em 2017, dizer que mulheres tenham que responder esse tipo de pergunta no ambiente de trabalho", disse. "Quando ter filhos é uma decisão da mulher e isso não deve predeterminar se ela receberá ou não oportunidades de trabalho."

Wikicommons

Jacinda Ardern se afastará do cargo durante seis semanas para cuidar de seu bebê

'Corpo da mulher é última fronteira de conquista do capital', diz historiadora italiana Silvia Federici

Militantes feministas acusam atriz Catherine Deneuve e intelectuais de 'aliadas dos porcos'

Catherine Deneuve pede desculpas

 

Durante as seis semanas que Ardern ficará afastada do posto, o vice-primeiro-ministro, Winston Peters, ficará à frente do governo. A premiê ainda prometeu ficar disponível para emergências enquanto tira sua licença maternidade.

Ardern, eleita em votação acirrada em setembro do ano passado, se tornou a terceira mulher a formar um governo na Nova Zelândia, sendo a pessoa mais jovem da história do país a assumir o cargo de premiê, com 37 anos.

O primeiro-ministro da Austrália, Malcolm Turnbull, felicitou a líder do país vizinho dizendo que Ardern "parecia mais animada do que quando ganhou as eleições". A ex-primeira-ministra da Nova Zelândia Helen Clark também enviou mensagem a Ardern destacando que "toda mulher deveria ter a possibilidade de escolher combinar família e carreira".

O líder do Partido Verde neozelandês, James Shaw, parabenizou a premiê e afirmou que "uma mulher possa ser primeira-ministra da Nova Zelândia e escolher ter uma família enquanto ocupa o cargo diz muito sobre o tipo de país que nós somos e que podemos ser - moderno, progressista, inclusivo e igualitário". Shaw também destacou que "esse anúncio será significativo para muitas mulheres".

Na Nova Zelândia, o tempo máximo permitido pelo governo para licença maternidade é de 18 semanas, podendo ser estendido para 52 semanas mediante a negociações trabalhistas. 

Além de Ardern, a primeira-ministra do Paquistão em 1990 Benazir Bhutto deu à luz a uma menina e se tornou a primeira líder mundial eleita a vivenciar a maternidade durante o exercício de sua funções políticas.

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

O livro que você quer!

O livro que você quer!

A Editora Alameda selecionou 31 títulos especialmente para você, leitor de Opera Mundi. Alguns destaques: Vila Buarque, o caldo da regressão, de Marcos Gama; Autoritarismo e golpes na América Latina, de Pedro Estevam Serrano; Machado de Assis - a Poesia Completa; A formação do mercado de trabalho no Brasil, de Alexandre de Freitas Barbosa; Nós que amamos a revolução, de Américo Antunes; Jorge Amado na Hora da Guerra, de Benedito Veiga; Da Pizza ao Impeachment, de Roberto Grün; Tsimane, de Aline Vieira, e Casa da Vovó, de Marcelo Godoy. A lista é incrível, aproveite. Tem alguns descontos convidativos e o frete é grátis para todo o Brasil.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Número de casos de sarampo cresce 400% na Europa em 2017

Segundo OMS, alta foi puxada por Romênia, Itália e Ucrânia; de acordo com entidade, surto se deve a vários fatores, como queda da cobertura vacinal, interrupção do fornecimento de vacinas e falhas nos sistemas de vigilância