EUA estão por trás das ações contra legado dos governos Lula e Dilma, diz Comparato

Para o jurista Fábio Konder Comparato, Moro 'é evidentemente pessoa de toda a confiança' dos EUA

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Interesses norte-americanos estão nos bastidores do movimento de ataque ao lulismo, que resultou na derrubada do governo Dilma Rousseff. É o que afirma o jurista Fábio Konder Comparato, 81, em entrevista exclusiva ao TUTAMÉIA.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Ele identifica na cobiça pelas reservas do pré-sal ”fundamentais para a economia do Ocidente” um dos pontos centrais da investida estrangeira no país. Observa que o petróleo descoberto daria uma enorme força econômica ao Brasil, o que não poderia ser tolerado pelos EUA.

Professor emérito da USP, Comparato nota que os norte-americanos tiveram “vantagem extraordinária” com os desdobramentos da operação lava a jato, que estrangulou a Petrobras e as empreiteiras brasileiras que estavam concorrendo com firmas dos EUA em vários mercados. Também o atual enfraquecimento dos BRICs resulta em benefício à força de Washington.

O jurista lembra que Michel Temer é pessoa “de confiança dos Estados Unidos” e que “até a velhinha de Taubaté sabe que José Serra é pró-americano”. Sobre Sérgio Moro, a quem classifica como “respeitável”, Comparato afirma que o juiz “é evidentemente pessoa de toda a confiança do governo norte-americano”, sendo ganhador de prêmios naquele país.

Reprodução

Para o jurista Fábio Konder Comparato, Moro "é evidentemente pessoa de toda a confiança" dos EUA

Sob a fumaça, a dependência

Aula Pública Opera Mundi: Qual o futuro da relação bilateral entre Brasil e China?

Julgamento de Lula: Europa e EUA terão atos a favor do ex-presidente

 

Comparato, que é fundador da Escola de Governo, faz um paralelo entre a situação atual e as circunstâncias que resultaram no suicídio de Getúlio Vargas, em 1954. Nos dois momentos, o objetivo do movimento reacionário foi atacar a figura mais popular no Brasil alegando a existência de desonestidades. Relembra que a única forma encontrada pela direita para tentar desprestigiar o varguismo foi acusá-lo de praticar ladroeira. Agora, segundo ele, “a popularidade crescente de Lula irritou o lado de lá”.

O jurista, que acaba de lançar o livro “A Oligarquia Brasileira” (Contracorrente), prevê que o TRF4 irá condenar Lula, apesar de “as condenações [de primeira instância] não terem um fundamento muito forte”. No caso do apartamento no Guarujá, elas se baseiam “numa presunção; não existe nenhum documento oficial de que o triplex pertence ou pertenceu a Lula. Isso, se não fosse o ambiente político, jamais seria razão suficiente para uma condenação”, diz.

Comparato enfatiza que, apesar de todo o ataque ao lulismo que visa retirar Lula da disputa eleitoral deste ano, as oligarquias estão com grande problema porque não conseguiram ainda se unificar em torno de um candidato _elas “estão brigando entre si”. “Se tivermos eleições livres, não vai ser o [Luciano] Hulk ou o [João] Dória que vão ganhar”, afirma.

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Escravidão e Liberdade

Escravidão e Liberdade

A editora Alameda traz uma seleção especial de livros escravidão, abolição do trabalho escravo e sobre cultura negra. Conheça o trabalho de pesquisadores que se dedicaram profundamente a esses temas, centrais para o debate da questão racial e da história do Brasil. 

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Irlandeses votam a favor da legalização do aborto

Maioria significativa respondeu com 'sim' em referendo sobre reforma da atual legislação do aborto na Irlanda, uma das mais restritivas da Europa; autoridades governamentais saúdam vitória da democracia em dia histórico

 

Philip Roth: um escritor aberto ao outro

Aos poucos, a geração de escritores que me formou e que foi decisiva na minha opção por estudar a literatura contemporânea vai terminando; e eu vou ficando cada vez menos contemporâneo