Trump tentou demitir procurador que investiga suposta interferência russa em eleições, diz jornal

Em Davos, na Suíça, onde chegou para participar do Fórum Econômico Mundial, o mandatário negou a informação e chamou a reportagem de 'fake news'

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, foi acusado na noite desta quinta-feira (25/01) de ter ordenado a demissão do procurador especial do caso que investiga a suposta interferência da Rússia nas eleições presidenciais de 2016, Robert Muller. Em Davos, na Suíça, onde chegou para participar do Fórum Econômico Mundial, o mandatário negou a informação.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

De acordo com o jornal The New York Times, citando fontes, o episódio ocorreu em junho de 2017, dias depois que Mueller foi nomeado procurador especial, no dia 17 de maio. Trump teria alegado que Mueller tinha três conflitos de interesse por seu trabalho como advogado que o desqualificava de sua nova responsabilidade.

Na ocasião, o republicano chegou a protagonizar um grande escândalo ao demitir o então diretor do FBI, James Comey, que naquele momento liderava a investigação.

Segundo a publicação, Trump também teve que enfrentar o advogado da Casa Branca, Donald McGahn, que trabalhou durante sua campanha eleitoral. McGahn, inclusive, ameaçou se demitir por considerar que a saída de Mueller teria um efeito "catastrófico" na presidência de Trump e que, além disso, levantaria ainda mais suspeitas sobre o possível envolvimento do Kremlin nas eleições presidenciais de 2016.

Apple pagará US$ 38 bilhões para repatriar capital aos EUA

De 'covfefe' a 'botão maior que o dele': 1 ano de governo Trump nos EUA em dez tweets

Em carta, parlamentares dos EUA falam em 'perseguição' a Lula e pedem que direitos do petista sejam respeitados

 

White House/Flickr

Trump teria tentado demitir Robert Mueller; presidente nega informação do New York Times

O chefe de Estado norte-americano, por sua vez, disse que a notícia não passa de uma "fake news". “Notícia falsa, gente. Notícia falsa. Uma típica história falsa do New York Times”, disse.

Uma eventual demissão de Mueller poderia abrir uma crise semelhante à enfrentada pelo então presidente Richard Nixon (1969-1974) que, em 20 de outubro de 1973, pediu a demissão do procurador Archibald Cox, que investigava o caso Watergate. O então procurador-geral Elliot Richardson se negou a cumprir a ordem e foi demitido; seu sub, William Ruckelshaus, também se negou e foi dispensado.

Desde então, o dia ficou conhecido nos Estados Unidos como o “massacre do sábado à noite”.

(*) Com Ansa

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

O livro que você quer!

O livro que você quer!

A Editora Alameda selecionou 31 títulos especialmente para você, leitor de Opera Mundi. Alguns destaques: Vila Buarque, o caldo da regressão, de Marcos Gama; Autoritarismo e golpes na América Latina, de Pedro Estevam Serrano; Machado de Assis - a Poesia Completa; A formação do mercado de trabalho no Brasil, de Alexandre de Freitas Barbosa; Nós que amamos a revolução, de Américo Antunes; Jorge Amado na Hora da Guerra, de Benedito Veiga; Da Pizza ao Impeachment, de Roberto Grün; Tsimane, de Aline Vieira, e Casa da Vovó, de Marcelo Godoy. A lista é incrível, aproveite. Tem alguns descontos convidativos e o frete é grátis para todo o Brasil.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Precisamos falar sobre a Globo

Além de discutir a concentração de audiência e de propriedade de mídia no país, entrevista traz bastidores de ex-editora do Jornal Nacional e ex-repórter do jornal O Globo