Senado da Polônia aprova lei que impede que país seja citado como 'cúmplice' ou 'coautor' de crimes nazistas

Israel e Estados Unidos criticaram duramente o projeto, que dá até 3 anos de prisão para quem chamar Auschwitz, por exemplo, de 'campo da morte polonês'

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O Senado da Polônia aprovou nesta quinta-feira (01/02) uma polêmica lei que impede que o país seja citado como "cúmplice" ou "coautor" dos crimes cometidos durante o regime nazista na Segunda Guerra Mundial.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

A votação, que se estendeu pela madrugada por conta dos protestos da oposição, contou com 57 votos a favor, 23 contra e duas abstenções. O texto já havia sido aprovado na Câmara Baixa, durante a última semana, e agora segue para a sanção do presidente Andrzej Duda, que é a favor do projeto.

Se definitivamente aprovada, quem atribuir à Polônia as acusações sobre o período, como chamar o campo de concentração de Auschwitz como "campo da morte polonês", poderá pegar até três anos de prisão e pagar uma pesada multa.

Como havia ocorrido na primeira votação, Israel fez duras críticas ao projeto. O ministro de Construção, Yoav Gallat, repetiu a afirmação do premier Benjamin Netanyahu e afirmou que a lei é um "caso de negação do Holocausto".

Wikimedia Commons

Campo de concentração de Auschwitz, na Polônia: lei impede de chamá-lo de 'campo da morte polonês'

Aumento da xenofobia e do neofascismo na Polônia coloca em risco permanência do país na UE

Partido conservador troca primeiro-ministro na Polônia

UE diz que reforma do Judiciário na Polônia traz 'risco ao Estado de direito' e abre processo contra país

 

"A memória de seis milhões de judeus assassinados é mais forte do que qualquer lei. Protegeremos a memória deles e faremos nossa lição: a capacidade de nos defender de nós mesmos", disse ainda.

Além disso, um comitê de senadores do Estados Unidos havia pedido para barrar a nova legislação, bem como o Departamento de Estado do país "convidou" os senadores a "não dar um passo atrás e piorar as relações entre EUA e Polônia".

O documento afirma que todos os que falarem publicamente algo, em solo polonês ou no exterior, "que atribua à nação polonesa ou ao Estado polonês a responsabilidade, ou a corresponsabilidade, dos crimes cometidos pelo Terceiro Reich alemão ou ainda os crimes contra a humanidade, contra a paz ou outros crimes cometidos durante a guerra" poderão passar até três anos presos.

Auschwitz, o maior campo da morte de judeus pelos nazistas, fica na Polônia, assim como outras estruturas de tortura dos comandados de Adolf Hitler. 

A Polônia é governada desde 2015 pelo partido de extrema-direita Lei e Justiça, que, desde então, vem aumentando sua participação no Parlamento, onde tem maioria. Entre os projetos que o partido tentou aprovar, estavam a proibição do aborto em qualquer caso (rejeitado após série de protestos de mulheres, especialmente em Varsóvia) e a possibilidade de a agremiação no poder controlar o sistema judiciário do país.

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Mulheres começam a dirigir na Arábia Saudita

Abertura é reflexo de uma mobilização de quase três décadas em defesa dos direitos das mulheres sauditas; as primeiras campanhas pelo direito a dirigir ocorreram nos anos 1990