Governo venezuelano assina rascunho de acordo de paz, mas oposição se nega; conversas seguem

Segundo ministro Jorge Rodríguez, 'uma ligação de Bogotá', dirigida ao líder oposicionista Julio Borges, impediu que um acordo definitivo fosse assinado, como era previsto

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Os representantes do governo da Venezuela assinaram, à meia-noite desta quarta-feira (07/02), um rascunho do acordo de paz previamente acertado com a oposição, informou o chefe da delegação oficial, Jorge Rodríguez. Os oposicionistas, no entanto, se negaram a assinar o texto, mas as conversas na República Dominicana prosseguirão ainda hoje.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Segundo Rodríguez, “uma ligação de Bogotá”, dirigida ao líder oposicionista Julio Borges, impediu que um acordo definitivo fosse assinado, como era previsto.  “Hoje, em um ato embaraçoso, uma chamada de Bogotá dirigida a Julio Borges impediu que se assinasse o acordo”, disse. “É um embaraço para quem recebe instruções do estrangeiro.”

O secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, está em viagem oficial à Colômbia e se encontrou nesta terça-feira (06/02) com o presidente do país, Juan Manuel Santos.

Por sua vez, Borges disse à imprensa reunida em Santo Domingo que não iria assinar, ao menos por agora, o documento. “Não assinaremos nada que não seja digno, nem esteja à altura do povo venezuelano”.

Secretário de Estado dos EUA sugere golpe militar na Venezuela

Venezuela condena declarações de secretário dos EUA sobre golpe militar no país

Empresas brasileiras irão aceitar pagamento com moeda digital Petro, diz ministro venezuelano

 

Chanceleria Venezuela

Delcy e Jorge (centro) Rodríguez em Santo Domingo; conversas prosseguem

Segundo a emissora RT, quando questionado sobre o governo ter assinado o texto sem sua presença, Borges se limitou a negar que houvesse recebido alguma ligação ou mesmo ordens dos Estados Unidos.

Pontos acordados

Entre os pontos do acordo, foram fixados como prioritários um cronograma para as eleições presidenciais deste ano, a criação de uma Comissão da Verdade e de um grupo para acompanhar o cumprimento do acordo.

Ao texto assinado pelo governo, foram incluídos dos pontos: a “ratificação do legítimo direito da Venezuela sobre a região do Esequibo, na Guiana” (reivindicada por Caracas) e o compromisso das partes em reconhecer o resultado das eleições, previsto para abril.

(*) Com RT

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

O livro que você quer!

O livro que você quer!

A Editora Alameda selecionou 31 títulos especialmente para você, leitor de Opera Mundi. Alguns destaques: Vila Buarque, o caldo da regressão, de Marcos Gama; Autoritarismo e golpes na América Latina, de Pedro Estevam Serrano; Machado de Assis - a Poesia Completa; A formação do mercado de trabalho no Brasil, de Alexandre de Freitas Barbosa; Nós que amamos a revolução, de Américo Antunes; Jorge Amado na Hora da Guerra, de Benedito Veiga; Da Pizza ao Impeachment, de Roberto Grün; Tsimane, de Aline Vieira, e Casa da Vovó, de Marcelo Godoy. A lista é incrível, aproveite. Tem alguns descontos convidativos e o frete é grátis para todo o Brasil.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Precisamos falar sobre a Globo

Além de discutir a concentração de audiência e de propriedade de mídia no país, entrevista traz bastidores de ex-editora do Jornal Nacional e ex-repórter do jornal O Globo