Atual sistema de tributação de multinacionais ajuda a aumentar desigualdade no mundo, diz relatório

Segundo FMI, perdas de impostos corporativos associados às movimentações de lucro chegam a 500 bilhões de dólares (cerca de R$ 1,6 trilhão) ao ano em todo o mundo

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Um relatório divulgado nesta semana pela Comissão Independente pela Reforma da Taxação Corporativa Internacional (ICRICT) aponta que o sistema atual de tributação de multinacionais pelo mundo contribui para o aumento da desigualdade entre os países. De acordo com a comissão, o fato de as empresas poderem levar seus lucros para paraísos fiscais “rouba governos e cidadãos”, ao retirar recursos para o financiamento de “serviços vitais” para a população.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

“As estratégias das corporações multinacionais para evitar o pagamento de impostos são um ataque aos direitos humanos. Quando as grandes corporações, incluindo as multinacionais e os indivíduos ricos, não pagam sua parte justa dos impostos, os governos não têm capacidade para financiar a saúde, educação, infraestrutura e a luta contra as mudanças climáticas. Já ficou claro que a ajuda externa não pode financiar o desenvolvimento”, afirma o presidente da organização, José Antonio Ocampo.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) estima que as perdas de impostos corporativos associados às movimentações de lucro chegam a 500 bilhões de dólares (cerca de R$ 1,6 trilhão) ao ano em todo o mundo.  As multinacionais norte-americanas respondem, sozinhas, por até 111 bilhões de dólares (R$ 363 bilhões), segundo estudo realizado em 2015 pela Reed College, dos EUA.

Para Ocampo, as estratégias de evasão fiscal das multinacionais impedem o desenvolvimento sustentável dos países. “As multinacionais são as que mais se beneficiam do sistema fiscal internacional atual. Elas até ameaçam os governos com a deslocalização de suas atividades econômicas, a menos que imponham um imposto sobre as sociedades que lhes convém”, diz.

Livro denuncia atividades de empresas alemãs no Brasil

Governo Trump anuncia redução de impostos para mais ricos e empresas dos EUA

'Estado deve evitar violação de direitos humanos das empresas', diz coordenador de ONG

 

Mariano Mantel/FlickrCC

Centro financeiro de Londres; atual sistema de tributação aumenta desigualdade

Solução

A ICRICT sugere, como possível solução ao problema, uma divisão de impostos de maneira mundial, seguindo uma ordem pré-estabelecida e acordada entre os países.  Cada país receberia um determinado total baseado em fatores como empregos gerados, vendas, uso de recursos e ativos fixos, de maneira a refletir um balanço entre oferta e demanda locais.

De qualquer forma, defende a ICRICT, é necessário que esta fórmula seja acompanhada também da criação de taxa mínima de imposto empresarial entre os países para desencorajar a competição entre eles.

Porém, tão importante quanto criar um sistema igualitário, afirma a comissão, é pavimentar o caminho para que isso ocorra. Para a organização, os líderes mundiais precisam já criar medidas de curto prazo que sejam mais eficientes, fáceis de administrar e fiscalizar.

“A questão crucial é onde o valor é criado em uma economia global cada vez mais complexa. Acreditamos que nossa proposta é a mais justa e, em particular, a única que atenda às necessidades dos países desenvolvidos e em desenvolvimento”, afirma Ocampo.

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Mulheres começam a dirigir na Arábia Saudita

Abertura é reflexo de uma mobilização de quase três décadas em defesa dos direitos das mulheres sauditas; as primeiras campanhas pelo direito a dirigir ocorreram nos anos 1990