Colômbia: Após ameaças e violência contra candidatos, FARC suspende campanha presidencial

Na última quinta-feira Rodrigo Londoño (Timochenko), candidato a presidente pelo partido, cancelou ato de campanha na cidade de Yumbo após ameaças

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

A Força Alternativa Revolucionária do Comum (FARC) anunciou nesta sexta-feira (09/02) que decidiu suspender temporariamente sua campanha presidencial por conta das ameaças e atos violentos cometidos contra integrantes do partido. Na quinta (07/02), o candidato a presidente Rodrigo Londoño (Timochenko) cancelou um ato de campanha na cidade de Yumbo após sofrer ameaças.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

O integrante do Conselho Político Nacional da organização e candidato ao Senado Pablo Catatumbo disse que, caso as condições para a proteção da integridade física dos dirigentes não sejam garantidas pelo Estado colombiano, o partido não retornará às atividades de campanha.

Catatumbo disse que a “Colômbia não pode se converter em um estado eleitoralmente falido”, e que irá, com “todas as provas" às autoridades, para que sejam punidos “os responsáveis pelos atos violentos contra os candidatos do partido”.

Em meio à crise, guerrilheiro do ELN expõe dificuldades no diálogo de paz na Colômbia

Ativista ambiental Yolanda Maturana é assassinada na Colômbia

Oposição da Venezuela se recusa a assinar acordo e negociações com governo são interrompidas

 

Twitter/FARC

FARC anunciou suspensão da campanha presidencial

O candidato também disse que “existe um plano coordenado que impede a ação política de um partido legalmente constituído”, e que um país que se pretende democrático deve dar as garantias a todos os partidos.

“Reiteramos a toda a nação nosso compromisso com a consolidação da paz e com a justiça social”, afirmou Catatumbo, que sublinhou que a campanha não foi cancelada, mas suspensa até que “existam plenas condições para que seja continuada”.

O político informou que, na próxima segunda-feira (12/02), a direção política da organização se reunirá para avaliar a situação. O primeiro turno da eleição da Colômbia está previsto para 11 de março.

Partido Comunista

Na última quinta (08/02), o Partido Comunista da Colômbia denunciou, em nota, os "sucessivos atos de agressão contra ativistas e diretores do partido FARC". Segundo a agremiação, eles indicam "uma ação sistemática, programada, organizada e estimulada por conhecidos porta-vozes da ultradireita'

Em contradição com as afirmações de Rafael Pardo, ministro do pós-conflito e do editorial para [jornal] El Espectador, de 6 de fevereiro, não há nada de espontâneo nesses ataques. Surpreende que altos funcionários, editorialistas e provocadores coincidam em atenuar a gravidade de condutas que terminaram favorecendo delitos contra a liberdade de reunião e expressão cidadã e estimulando rumores que põem em risco a vida e a integridade de compatriotas ou danos a imóveis e veículos. Mais assombroso ainda é que o código da polícia que se aplica com rigor extremos às manifestações cívicas, estudantis, de vendedores ambulantes e camponeses, se mostre tolerante às agressões violentas contra aqueles que decidirão atuar em democracia", afirma o texto.

Leia nota do PC na íntegra:

Pelo livre direito de atuar em democracia

Os sucessivos atos de agressão contra ativistas e diretores do partido FARC indicam uma ação sistemática, programada, organizada e estimulada por conhecidos porta-vozes da ultradireita.

Em contradição com as afirmações de Rafael Pardo, ministro do Pós-Conflito e do editorial do El Espectador, de 6 de fevereiro, não há nada de espontâneo nesses ataques. Surpreende que altos funcionários, editorialistas e provocadores coincidam em atenuar a gravidade de condutas que terminaram favorecendo delitos contra a liberdade de reunião e expressão cidadã e estimulando rumores que põem em risco a vida e a integridade de compatriotas ou danos a imóveis e veículos.

Mais assombroso ainda é que o código da polícia que se aplica com rigor extremo às manifestações cívicas, estudantis, de vendedores ambulantes e camponeses se mostre tolerante às agressões violentas contra aqueles que decidiram atuar em democracia.

A ordem de "não reagir", emitida pela Direção da Polícia, facilita o vandalismo dos agressores fascistas e a permanência de seus crimes. Os eventos condenáveis de hoje, em Cali e Yumbo, exigem uma mudança na forma de tornar efetivas as garantias efetivas para todos.

O Partido Comunista colombiano condena esses eventos e aponta a responsabilidade do governo nacional em sua cadeia de comando por permitir tais abusos de direitos e liberdades fundamentais, que constituem tantas tentativas contra a consolidação da paz e da justiça social reivindicadas pelo povo colombiano.

Exigimos que a procuradoria investigue a possível participação de funcionários e agentes da inteligência intervindo na organização e promoção deste tipo de ato.

Pedimos a solidariedade ativa frente aos atropelos daqueles que pretendem legitimar a estigmatização, o bullying e a ameaça como meio de ação.

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Escravidão e Liberdade

Escravidão e Liberdade

A editora Alameda traz uma seleção especial de livros escravidão, abolição do trabalho escravo e sobre cultura negra. Conheça o trabalho de pesquisadores que se dedicaram profundamente a esses temas, centrais para o debate da questão racial e da história do Brasil. 

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Irlandeses votam a favor da legalização do aborto

Maioria significativa respondeu com 'sim' em referendo sobre reforma da atual legislação do aborto na Irlanda, uma das mais restritivas da Europa; autoridades governamentais saúdam vitória da democracia em dia histórico

 

Philip Roth: um escritor aberto ao outro

Aos poucos, a geração de escritores que me formou e que foi decisiva na minha opção por estudar a literatura contemporânea vai terminando; e eu vou ficando cada vez menos contemporâneo