Cientistas fazem óvulo humano se desenvolver em laboratório

Deutsche Welle
É a primeira vez que óvulos crescem fora do ovário humano desde sua fase inicial até a maturidade; especialistas ainda estudam se eles podem ser fertilizados, mas pesquisa promete avanços para tratamentos de fertilidade

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Cientistas americanos e britânicos conseguiram fazer um óvulo humano se desenvolver fora do ovário pela primeira vez, algo que pode trazer avanços significativos para tratamentos de fertilidade, diz um estudo publicado nesta sexta-feira (09/02) na revista científica Molecular Human Reproduction.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Pesquisadores da Universidade de Edimburgo, na Escócia, e do Centro para Reprodução Humana, em Nova York, Estados Unidos, extraíram células de óvulos do tecido do ovário ainda nas primeiras fases de desenvolvimento, e fizeram com que elas crescessem até atingir a maturidade, quando estão prontas para a fertilização – um avanço científico que só havia sido bem-sucedido em ratos.

A possibilidade de acompanhar o crescimento dos óvulos fora do ovário permitirá aos cientistas explorar o desenvolvimento do óvulo humano, um processo ainda bastante desconhecido.

Ruters/Doctor David Albertini/University of Edinburgh

É a primeira vez que óvulos crescem fora do ovário humano desde sua fase inicial até a maturidade

Um ano de Brexit: o que mudou no Reino Unido depois do referendo para tirar o país da UE?

Jovem italiana salva pai de infarto com procedimento que aprendeu em 'Grey's Anatomy'

Nobel de Medicina premia descoberta sobre relógio biológico

 

Os cientistas adiantam que ainda será necessária a realização de uma série de pesquisas antes que o método possa ser usado clinicamente. O estudo, porém, já oferece esperança a mulheres e meninas que se submetem a tratamentos com riscos de esterilidade – como a quimioterapia – ao permitir a recuperação de óvulos imaturos e seu amadurecimento, possibilitando que sejam armazenados para uma futura fertilização.

Nos dias de hoje, as mulheres já podem congelar óvulos maduros – ou mesmo embriões, quando fertilizados – antes de começar tratamentos médicos desse tipo. Essa opção, no entanto, não é possível no caso de meninas que tiveram câncer.

Evelyn Telfer, pesquisadora da Universidade de Edimburgo e coordenadora da pesquisa, afirmou que "a possibilidade de desenvolver óvulos humanos em laboratório poderá expandir o espectro dos tratamentos de fertilidade disponível". "Trabalhamos agora para otimizar as condições que permitem o desenvolvimento de óvulos dessa forma e estudar o quanto eles são saudáveis", completou.

Os especialistas acrescentam que é preciso ainda "analisar, atendendo à aprovação das normativas, se [os óvulos] podem ser fertilizados". Em pesquisas anteriores, cientistas foram capazes de desenvolver óvulos de ratos em laboratório ao ponto de produzir descendentes vivos.

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

O livro que você quer!

O livro que você quer!

A Editora Alameda selecionou 31 títulos especialmente para você, leitor de Opera Mundi. Alguns destaques: Vila Buarque, o caldo da regressão, de Marcos Gama; Autoritarismo e golpes na América Latina, de Pedro Estevam Serrano; Machado de Assis - a Poesia Completa; A formação do mercado de trabalho no Brasil, de Alexandre de Freitas Barbosa; Nós que amamos a revolução, de Américo Antunes; Jorge Amado na Hora da Guerra, de Benedito Veiga; Da Pizza ao Impeachment, de Roberto Grün; Tsimane, de Aline Vieira, e Casa da Vovó, de Marcelo Godoy. A lista é incrível, aproveite. Tem alguns descontos convidativos e o frete é grátis para todo o Brasil.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Número de casos de sarampo cresce 400% na Europa em 2017

Segundo OMS, alta foi puxada por Romênia, Itália e Ucrânia; de acordo com entidade, surto se deve a vários fatores, como queda da cobertura vacinal, interrupção do fornecimento de vacinas e falhas nos sistemas de vigilância