Apesar de acusações de corrupção, Netanyahu afirma que terminará mandato

rfi - português do brasil
Polícia israelense recomendou indiciamento de primeiro-ministro por denúncias de corrupção; Netanyahu diz ser inocente

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O premiê israelense, Benjamin Netanyahu, disse nesta quarta-feira (14/02) que a coalizão de seu governo continua estável, apesar da ameaça de indiciamento por corrupção, recomendada pela polícia do país. Ele descartou a hipótese de organização de eleições antecipadas.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Em um novo pronunciamento em Tel Aviv, o premiê rejeitou as acusações que ele considera “sem fundamento”, e se comprometeu a continuar dirigindo o país com “lealdade e responsabilidade” enquanto ele estiver à frente do governo. “Nem eu nem ninguém estamos pensando em organizar novas eleições”, declarou Netanyahu. Ele também disse que o inquérito policial é “como um queijo suíço, cheio de buracos”. O fim do mandato de Netanyahu está previsto para 2019.

Nesta terça-feira (13/02), minutos depois de a polícia israelense ter anunciado que tem evidências suficientes para recomendar o indiciamento do primeiro-ministro, Netanyahu fez um primeiro pronunciamento, alegando inocência em dois casos de corrupção.

Charutos e joias em troca de favores

Apelidados pela polícia de “1000” e “2000”, os casos contêm alegações de suborno, quebra de confiança e abuso de poder. O primeiro envolve a acusação de que Netanyahu fez negociatas com dois magnatas.

Em troca de favores, ele e sua mulher, Sara, teriam recebido milhares de dólares em presentes como charutos, joias e bebidas de um produtor de cinema israelense que atua em Hollywood e de um empresário australiano.

Já o “Caso 2000” teria como foco conversas grampeadas entre Netanyahu e o dono do maior jornal do país, “Yedioth Aharonoth” (Últimas Notícias). Em troca de enfraquecer o jornal concorrente, bancado pelo bilionário americano pró-Netanyahu Sheldon Adelson, o premiê teria sugerido que o Últimas Notícias diminuísse o tom das críticas contra o seu governo.

Arqueólogos descobrem mosaico de 1.800 anos em Israel

Israel intercepta drone do Irã e tem caça abatido pela Síria

Começa julgamento de jovem palestina acusada de agredir soldados israelenses

 

Ainda não se sabe quando o Ministério Público decidirá por um indiciamento e se Netanyahu irá renunciar por causa disso. A rigor, a lei israelense só exige renúncia do premiê case ele seja condenado.

Outros casos de corrupção envolvendo Netanyahu ainda estão sendo investigados. Dois primeiros-ministros israelenses deixaram o cargo por causa de investigações. O caso mais conhecido e recente é o do ex-premiê Ehud Olmert, que cumpriu pena de 19 meses por corrupção.

Amos Ben Gershom/GPO

Netanyahu diz que não renuncia, apesar de pedido de indiciamento

Recorde de mandatos

À frente do governo israelense desde 2009, após um primeiro mandato entre 1996 e 1999, Netanyahu passou onze anos no poder. Sem rival aparente, ele quebrará o recorde de longevidade do histórico David Ben Gurion, fundador do Estado de Israel, se a atual legislatura chegar ao fim, em novembro de 2019.

O ministro da Justiça israelense, Ayelet Shaked, já afirmou que um primeiro-ministro oficialmente acusado não é obrigado a renunciar. Quando um primeiro ministro é indiciado, ele só precisa se demitir quando todos os recursos contra sua acusação estiverem esgotados.

A Justiça israelense possui um histórico de agir com mão forte contra líderes importantes, condenados por corrupção. O antecessor e antigo opositor de Netanyahu Ehud Olmert, que ficou no poder de 2006 a 2009, foi liberado em julho de 2017 após um ano e quatro meses de prisão por corrupção.

(*) Publicado na RFI

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

O livro que você quer!

O livro que você quer!

A Editora Alameda selecionou 31 títulos especialmente para você, leitor de Opera Mundi. Alguns destaques: Vila Buarque, o caldo da regressão, de Marcos Gama; Autoritarismo e golpes na América Latina, de Pedro Estevam Serrano; Machado de Assis - a Poesia Completa; A formação do mercado de trabalho no Brasil, de Alexandre de Freitas Barbosa; Nós que amamos a revolução, de Américo Antunes; Jorge Amado na Hora da Guerra, de Benedito Veiga; Da Pizza ao Impeachment, de Roberto Grün; Tsimane, de Aline Vieira, e Casa da Vovó, de Marcelo Godoy. A lista é incrível, aproveite. Tem alguns descontos convidativos e o frete é grátis para todo o Brasil.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Precisamos falar sobre a Globo

Além de discutir a concentração de audiência e de propriedade de mídia no país, entrevista traz bastidores de ex-editora do Jornal Nacional e ex-repórter do jornal O Globo