Presidente da África do Sul renuncia após pressão do partido; vice deve ser efetivado no cargo

Zuma, que havia se recusado a sair do cargo, é acusado de participar de diversos esquemas de corrupção no país; vice-presidente Cyril Ramaphosa deve assumir comando definitivo do país

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O presidente da África do Sul, Jacob Zuma, renunciou ao cargo na noite desta quarta-feira (14/08), mesmo após ter dado uma entrevista, mais cedo, em que negou que o faria. Ele sofria pressão de seu partido, o ANC (Congresso Nacional Africano), que exigia sua saída do posto máximo do país.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

“Devo aceitar que, se meu partido e meus compatriotas desejam que eu seja removido do cargo, eles devem exercer este direito e fazê-lo da maneira prescrita na Constituição. Não tenho medo de moção de desconfiança ou impeachment”, disse, em pronunciamento na TV. O mandato de Zuma iria até 2019.

Zuma é acusado de participar de diversos esquemas de corrupção, depois que o vice-presidente Cyril Ramaphosa assumiu o comando do ANC, no final do ano passado, a pressão para a saída do presidente aumentou.

Segundo as leis sul-africanas, o presidente é escolhido pelo parlamento. Como o ANC tem maioria, Ramaphosa, que já está como presidente interino, deve ser efetivado no cargo.

Pressão

O ANC havia dado 48 horas, a contar da última segunda-feira (12/02), para que Zuma renunciasse. O prazo acabaria à meia-noite de hoje (20h em Brasília). Em entrevista à rede SABC, no entanto, o agora ex-presidente disse que não renunciaria por considerar que o partido não havia apresentado razões para tal.

Presidente do Curdistão iraquiano anuncia que não estenderá seu mandato

Vice-premiê da Irlanda renuncia para evitar novas eleições

Acusado de corrupção, presidente sul-africano é pressionado para deixar cargo

 

GovernmentZA

Após dizer que não o faria, Zuma renunciou ao cargo

“Não desafiei o partido e, como você deve saber, há muitas coisas acontecendo e coisas ditas que não tive a oportunidade de dizer, parcialmente porque eu acredito que deve se lidar com as coisas de uma maneira particular, ao invés de levar a vocês da mídia”, havia dito.

Assim, o ANC ameaçou Zuma com uma moção de desconfiança, que o obrigaria a deixar o cargo. 

Esta não é a primeira remoção de um mandatário desde que o ANC chegou ao poder com o fim do apartheid, em 1994. Em 2008, após ser eleito líder do partido, o próprio Zuma participou das manobras para forçar a renúncia do então presidente Thabo Mbeki.

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Escravidão e Liberdade

Escravidão e Liberdade

A editora Alameda traz uma seleção especial de livros escravidão, abolição do trabalho escravo e sobre cultura negra. Conheça o trabalho de pesquisadores que se dedicaram profundamente a esses temas, centrais para o debate da questão racial e da história do Brasil. 

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Irlandeses votam a favor da legalização do aborto

Maioria significativa respondeu com 'sim' em referendo sobre reforma da atual legislação do aborto na Irlanda, uma das mais restritivas da Europa; autoridades governamentais saúdam vitória da democracia em dia histórico

 

Philip Roth: um escritor aberto ao outro

Aos poucos, a geração de escritores que me formou e que foi decisiva na minha opção por estudar a literatura contemporânea vai terminando; e eu vou ficando cada vez menos contemporâneo