Caracas acusa Exército da Colômbia de recrutar venezuelanos para criar focos de violência na fronteira

Intenção seria criar 'falsos positivos' na zona norte do país, buscando 'justificar ação intervencionista que viole nossa soberania', disse Reverol; Bogotá ainda não respondeu

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O ministro de Relações Interiores da Venezuela, Nestor Reverol, afirmou nesta sexta-feira (16/02) que o Exército da Colômbia está recrutando cidadãos venezuelanos e oferecendo-os treinamento militar com o intuito de criar focos de violência na fronteira entre os dois países.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Segundo Reverol, "eles estão fornecendo tudo e é um número importante, aproximadamente 150 venezuelanos já cumpriram a preparação". Para o ministro, a intenção das Forças Armadas colombianas seria criar "falsos positivos" na zona norte do país, a fim de que se justifique uma "intervenção externa" na Venezuela. 

O ministro afirmou que venezuelanos "recebem de maneira expressa documentos de identidade colombiana, cédula de cidadania e, logo, são incorporados de maneira imediata ao serviço militar obrigatório colombiano". "Podem se estar criando forças paramilitares altamente doutrinadas e com capacidade de se mobilizar livremente em território venezuelano."

Reverol classificou como "muito graves" as ações do país vizinho e que essa poderiam desencadear ondas de violência dentro da Venezuela.

Reprodução/Twitter

Segundo o ministro, "com essas ações, eles buscam justificar uma ação intervencionista que viole nossa soberania nacional"

Colômbia: Após ameaças e violência contra candidatos, FARC suspende campanha presidencial

Bolívia e Chile rechaçam ameaças dos Estados Unidos de intervenção militar na Venezuela

Maduro diz que vai à Cúpula das Américas 'chova, troveje ou relampeje'

 

Reverol afirmou que cidadãos venezuelanos estão sendo recrutados pelo Exército da Colômbia na zona norte do país, mais precisamente na região de Pamplona, norte de Santander, com a presença de grupos paramilitares criminosos. 

Colômbia

Até o fechamento desta reportagem, Bogotá não havia respondido diretamente às acusações de Caracas. O Ministério da Defesa colombiano, no entanto, divulgou uma nota nesta quinta-feira (15/02) em que afirmava que o ministro Luis Carlos Villegas entrou em contato com o ministério da Defesa da Venezuela para tratarem de ações violentas ocorridas na fronteira norte entre os dois países. 

Segundo a nota, Villegas disse que existem grupos terroristas formados por venezuelanos agindo na região fronteiriça de Pamplona. De acordo com o ministro colombiano, "tivemos, por exemplo, dois cidadãos venezuelanos que estavam instalando uma carga explosiva em uma rodovia perto de Pamplona (Norte de Santander), e essa carga foi ativada causando a morte desses dois terroristas".

Villegas ainda afirmou que conversou com o ministro da Defesa venezualano, Vladimir Padrino, sobre "nossa preocupação com a crescente participação dos cidadãos venezuelanos em ações de crime organizado e comum associadas a numerosos crimes contra a propriedade".

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Mulheres começam a dirigir na Arábia Saudita

Abertura é reflexo de uma mobilização de quase três décadas em defesa dos direitos das mulheres sauditas; as primeiras campanhas pelo direito a dirigir ocorreram nos anos 1990