Não há crise humanitária na Venezuela, diz especialista em direitos humanos da ONU

Segundo Alfred de Zayas, comunidade internacional deve trabalhar em solidariedade à Venezuela para suspender as sanções, "pois são essas que pioram a escassez de alimentos e remédios"

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O advogado e historiador norte-americano Alfred de Zayas, especialista independente da Organização das Nações Unidas (ONU) para a Promoção da Ordem Internacional Democrática e Equitativa, afirmou que "não há crise humanitária" na Venezuela, e que o termo vem sendo usado como desculpa para intervir no país e derrubar o governo atual.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

"Comparei as estatísticas da Venezuela com a de outros países e não há crise humanitária. É claro que há escassez, mas quem trabalhou por décadas para as Nações Unidas e conhece a situação de países da Ásia, África e alguns da América, sabe que a situação na Venezuela não é uma crise humanitária ", disse Zayas, em uma entrevista nesta terça-feira (20/02) a um programa da emissora multiestatal teleSUR.

O especialista esteve na Venezuela no final do ano passado e participou de reuniões com funcionários do governo, vítimas de violações de direitos humanos e da violência das chamadas "guarimbas" (protestos violentos da oposição) a fim de conhecer a situação política, econômica e social do país. Em março, deve apresentar seu relatório às Nações Unidas.

ONU

Sanções pioram "escassez de alimentos e remédios", diz Zayas

Maduro diz que vai à Cúpula das Américas 'chova, troveje ou relampeje'

Caracas acusa Exército da Colômbia de recrutar venezuelanos para criar focos de violência na fronteira

Governo venezuelano inicia pré-venda da moeda digital Petro

 

Ele explicou que, embora muitos pensem que o país está à beira de um desastre, como mostram os meios de comunicação do exterior, "a Venezuela sofre uma guerra econômica, um bloqueio financeiro, sofre um alto nível de contrabando e, claro, necessita de solidariedade internacional para resolver esses problemas".

Zayas ainda acredita que a comunidade internacional deve trabalhar em solidariedade à Venezuela para suspender as sanções, "pois são essas que pioram a escassez de alimentos e remédios". "É insuportável pensar que, tendo uma crise de malária na Amazônia venezuelana, a Colômbia bloqueou a venda de medicamentos e a Venezuela teve que importá-los da Índia", disse.

O especialista afirma que o discurso atual de crise humanitária por parte de porta-vozes dos EUA, além de não ser válido, somente visa à troca de governo na Venezuela, e que "desde 1999, uma série de Estados querem a troca de regime na Venezuela, esse desejo de destruir a Revolução Bolivariana e revogar todas as leis sociais adotadas nos mandatos de [Hugo] Chávez e [Nicolás] Maduro".

"É como se eu não tivesse visitado a Venezuela"

Zayas denunciou a ausência de notícias sobre sua visita à Venezuela nos meios de comunicação dominantes que, segundo ele, não estão interessados em disseminar uma imagem completa da situação do país.

O especialista contou à TeleSur que o comum, sendo ele um antigo funcionário das Nações Unidas, secretário do comitê de Direitos Humanos e chefe do departamento de reclamações do Alto Comissionado da ONU, seria que meios como BBCThe New York Times publicassem suas declarações quando ele se pronunciasse sobre algum tema.

"No caso da Venezuela, tanto a CNN como a BBC me ignoraram, é como se eu não tivesse visitado a Venezuela", o que ele qualifica como manipulação pública, acrescentando que apenas teleSUR e Sputinik o entrevistaram.

O historiador norte-americano também apontou que certas organizações ditas não governamentais, "mas cujas lealdades são duvidosas", não querem especialistas independentes, "desejam especialistas que venham ao país para condenar, por isso quando me nomearam, disseram que eu não era o relator pertinente para falar da Venezuela".

"Recebi cartas com insultos ao anunciar visita à Venezuela"

O escritório das Nações Unidas recebeu cartas do exterior com reclamações sobre a visita de Zayas à Venezuela, nas quais se exigia quais pontos deveriam ser investigados. "Considerei isso uma ingerência à minha independência, eu sou o relator, eu determino meu programa, eu sei qual informação é pertinente para meu relatório, no entanto, não quero que o relatório seja ditado para mim e algumas organizações não governamentais me sugeriram de forma pouco cortês, com cartas com insultos, dizendo o que eu tinha que fazer quando estivesse na Venezuela"

Para elaborar o relatório sobre a situação da Venzuela, Zayas viajou para visitar setores da oposição, Fedecamaras, a sociedade civil e Igreja. Falou com 16 ministros do governo, visitou as Missões Sociais e supermercados, "não para ter uma impressão completa em oito dias, mas de boa fé sobre a situação". 

Ele constatou que existem problemas de abastecimento, de distribuição de alimentos e medicamentos, porém o mais grave são as sanções e a guerra econômica pois prejudicam o comércio de remédios e comida subsidiados na fronteira com a Colômbia.

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Mulheres começam a dirigir na Arábia Saudita

Abertura é reflexo de uma mobilização de quase três décadas em defesa dos direitos das mulheres sauditas; as primeiras campanhas pelo direito a dirigir ocorreram nos anos 1990