Trump propõe liberar fundos para armar e treinar 1 milhão de professores

Medida pretende dissuadir novos atentados, como o que ocorreu na Flórida, na última semana; proposta consiste em criação de bônus para professores que queiram se armar

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

A Casa Branca sugeriu nesta quinta-feira (22/02) a possibilidade de liberar fundos para treinar e armar até 1 milhão de professores. A medida, segundo o governo norte-americano, serviria para dissuadir novos massacres, como o que ocorreu em uma escola da Florida na última semana.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Durante uma reunião com jornalistas, o presidente Donald Trump defendeu a criação de um “bônus” que seria concedido para a parcela de professores que esteja disposta a participar de um treinamento e “que entendam de armamento”.

Segundo Trump, “10,20,40%” dos professores podem ser qualificados para receber o adicional, especialmente caso sejam militares aposentados. “Eu quero minhas escolas protegidas assim como quero meus bancos protegidos”, afirmou o presidente.

De acordo com o jornal britânico The Guardian, jornalistas perguntaram à Casa Branca sobre os impactos da aplicação desta medida caso o valor do adicional fosse de, por exemplo, mil dólares por professor – gasto que seria traduzido em 1 bilhão de dólares, caso 40% dos professores passassem a receber o adicional.

The Ale Party/Facebook/Reprodução

Sobreviventes de massacre lideram campanha antiarmas nos EUA

EUA: Trump apoia projeto para investigar melhor comprador de armas

Estudantes marcham na Florida contra posse de arma nos EUA

 

“Você realmente acha que é demais para pagar pela segurança das escolas?”, respondeu Raj Shah, vice-secretário de imprensa da Casa Branca. Segundo ele, Trump pretende conversar com membros do Congresso sobre propostas legislativas e orçamentárias para colocar a medida em prática.

Trump também usou seu Twitter para defender a medida. “Eu quero minhas escolhas protegidas da mesma forma que quero meus bancos protegidos”, afirmou o presidente. Segundo ele, “escola sem armas é um ímã para pessoas más”.

Rejeição à ideia

Sobreviventes do ataque na Flórida rejeitaram a ideia de armar professores e defenderam que o problema seja resolvido por meio do endurecimento das leis que regulam o comércio de armas nos EUA. Entre as propostas, está a proibição da venda de fuzis militares e de cartuchos de munição com mais de dez balas.

O professor da Federação Americana de Professores, organização que conta com mais de 1,7 milhão de associados, Rand Weingarten, afirmou que a proposta de Trump é uma “das piores idéias” que ouviu em meio a “uma série de ideias muitas ruins”. A Associação Nacional de Professores também rejeitou a medida. “Educadores precisam estar focados em educar nossos estudantes”, afirmou Lyly Eskelsen García, presidente da instituição.

Na série de mensagens em seu Twitter, Trump também reafirmou que irá pressionar o Congresso para aumentar de 18 a 21 anos a idade mínima para compra de armas. O mandatário também disse que pedirá para um maior reforço para a manutenção de um banco de dados que verifica os antecedentes criminais e saúde mental de possíveis compradores.

A questão da importância no controle na venda de armas no país ressurgiu após um novo massacres. No dia 14 deste mês, Nikolas Cruz, de 19 anos, invadiu a Escola Stoneman Douglas, em Parkland, com um rifle AR-15. Cruz matou 17 pessoas e foi preso em seguida. 

Haroldo Ceravolo, diretor de redação de Opera Mundi participou de um bate-papo sobre o movimento Never Again, que pretende pressionar o governo para a criação de leis mais duras para a venda de armas. Assista:

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Mulheres começam a dirigir na Arábia Saudita

Abertura é reflexo de uma mobilização de quase três décadas em defesa dos direitos das mulheres sauditas; as primeiras campanhas pelo direito a dirigir ocorreram nos anos 1990