Nigéria liberta mais de 1 mil pessoas raptadas pelo Boko Haram

Ofensiva do Exército ocorreu após grupo sequestrar 110 meninas; resgate aconteceu durante operações realizadas nesta segunda (26/02)

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O Exército da Nigéria anunciou nesta terça-feira (27/02) a libertação de mais de 1.100 pessoas, incluindo mulheres e crianças, que foram sequestradas pelo grupo fundamentalista islâmico Boko Haram.
   

Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

O resgate acontece durante várias operações realizadas ontem (26/02) em diferentes áreas da região do Lago Chade, próximo de Camarões. De acordo com o oficial militar Onyema Nwachukwu, 35 integrantes do grupo terrorista foram mortos na ofensiva do Exército e uma grande quantidade de armas foi apreendida.

A ofensiva acontece uma semana depois que cerca de 110 meninas foram sequestradas de uma escola de Yobe, após um ataque no último dia 19 de fevereiro. Em abril de 2014, o Boko Haram raptou 276 meninas do dormitório de uma escola em Chibok. 

Reprodução

Ofensiva do Exército ocorreu após grupo sequestrar 110 meninas

Nigéria: ONU fecha acordo que põe fim ao uso de crianças em guerra contra Boko Haram

Nigéria: Atentado suicida em mesquita deixa ao menos 50 mortos

Nigéria admite que 110 jovens estão desaparecidas após ataque do Boko Haram

 

O caso provocou comoção mundial e deu origem à campanha "Bring Back Our Girls" ("Tragam nossas garotas de volta", em tradução livre), promovida até pela ex-primeira-dama dos Estados Unidos Michelle Obama.
   
O Boko Haram, que é aliado do Estado Islâmico (EI) desde 2015, em 10 anos conquistou milhares de seguidores e matou entre 15 e 20 mil pessoas.
 

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

50 anos depois, ainda temos um sonho

Somente o acesso real de todos a serviços públicos de qualidade possibilitará a luta pela justiça social e pela redução das desigualdades