Sem provas de ataque sônico, EUA decidem reduzir definitivamente presença diplomática em Cuba

Segundo comunicado, embaixada irá operar com mínimo pessoal necessário a partir de março; para diplomata cubano, decisão dos EUA tem motivações políticas

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O governo dos Estados Unidos anunciou na noite desta sexta-feira (02/03) que irá manter a decisão de reduzir sua presença diplomática em Cuba. Os EUA acusam o país de um suposto ataque sônico cometido contra os funcionários de sua embaixada em Havana em agosto do ano passado.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

A partir de 5 de março a embaixada “continuará operando com o mínimo pessoal necessário para dar prosseguimento às funções diplomáticas e consulares centrais”, anunciou o Departamento de Estado norte-americano.

O anuncio dá continuidade a uma decisão tomada em setembro do ano passado, quando o governo dos EUA retirou 24 funcionários da embaixada norte-americana em Havana. Segundo os Estados Unidos, os funcionários teriam relatado sintomas como náuseas, vômitos e tonturas após terem ouvido um som de baixa frequência, que os EUA passou rapidamente a qualificar como um ataque sônico. 

Wikimedia Commons

Embaixada “continuará operando com o mínimo pessoal necessário para dar prosseguimento às funções diplomáticas e consulares centrais”, anunciou o Departamento de Estado norte-americano

Embaixada dos EUA mudará para Jerusalém em 14 de maio

Golpe afetou poder de barganha e voz do Brasil no exterior, diz historiadora

Sem provas de ataque sônico, EUA decidem reduzir definitivamente presença diplomática em Cuba

 

Em resposta à decisão, o diretor para os Estados Unidos do Ministério dos Exteriores de Cuba, Carlos Fernández de Cossío, afirmou por meio de sua conta no Twitter que “é falso que o pessoal diplomático da embaixada esteja ou tenha estado em risco”.

“O governo dos EUA tem provas suficientes de que Cuba é um país seguro para os diplomatas americanos e de qualquer outro país, assim como para os cidadãos cubanos e os mais de quatro milhões de estrangeiros”, afirmou o diplomata na rede social.

Segundo ele, “é falso que possa ter acontecido em Cuba por parte de alguém uma ação deliberada contra diplomatas dos Estados Unidos”. Cossío disse ainda que a decisão “responde a motivações políticas e não tem relação alguma com a segurança de seus funcionários em Havana”.

A decisão dos EUA representa um dos mais fortes distanciamentos diplomáticos entre os dois países desde que Donald Trump assumiu a Casa Branca. 

FBI e cientistas contestam existência de ataque sônico

Segundo um comunicado divulgado pela agência de notícias Associeted Press em janeiro deste ano, o FBI (Federal Bureau of Investigation) não encontrou provas de que tenha ocorrido um ataque sônico contra a embaixada

De acordo com a agência, o FBI testou uma série de hipóteses, entre ondas audíveis, ultrassônicas e infrassônicas. Porém, não encontrou nenhuma evidência de que elas pudessem ter sido utilizadas para ferir funcionários da embaixada norte-americana.

Além disso, cientistas ouvidos em outubro do ano passado pelo jornal norte-americano The New York Times também rejeitaram a possibilidade de um ataque desta natureza.

“Eu diria que é bastante implausível”, afirmou ao jornal o físico Jürgen Altman, da Technische Universität Dortmund, na Alemanha. “Por que entrar lá com paus e armas se você pode ir com algo simples, como um gerador de som?”, ironizou Geoffrey S.F Ling, neurologista na Universidade Johns Hopkins.

Pesquisas envolvendo armamento sonoro não letal ocorrem há décadas – inclusive feitas pelo Pentágono -, e já foram usadas para dispersar manifestações. No entanto, essas armas são feitas para produzir um som muito alto, algo que teria sido facilmente notado.

Mesmo que outras pesquisas tivessem tido sucesso em desenvolver uma arma ultrassônica, as leis da física tornariam improvável que a arma conseguisse afetar alguém que estivesse a uma longa distância. “Ultrassom não pode viajar uma longa distância”, afirma Jun Qin, engenheiro acústico pela Universidade do Sul de Illinois.

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Mulheres começam a dirigir na Arábia Saudita

Abertura é reflexo de uma mobilização de quase três décadas em defesa dos direitos das mulheres sauditas; as primeiras campanhas pelo direito a dirigir ocorreram nos anos 1990