Freiras denunciam trabalho serviçal e falta de reconhecimento na Igreja Católica

rfi - português do brasil
Religiosas relataram trabalhos domésticos excessivos e silenciamento por parte da instituição; levantamento inédito gerou repercussão no Vaticano

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

As religiosas saem do silêncio. No suplemento mensal do sério L’Osservatore Romano (“Observatório Romano”, em tradução livre), as mulheres a serviço da Igreja Católica denunciam ritmos excessivos de trabalhos domésticos e sem direito a uma opinião.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

O assunto é tabu no Vaticano. A reportagem foi assinada pela jornalista francesa Marie-Lucile Kubacki. Ela entrevistou várias religiosas que ousaram falar sobre um fenômeno, no entanto, conhecido na Santa Sé.

“Elas acordam de madrugada para preparar o café da manhã e só dormem depois do jantar servido, a casa arrumada, a roupa lavada e passada”, diz a reportagem, ilustrada com vários testemunhos anônimos.

Flickr CC

As mulheres a serviço da Igreja Católica denunciam ritmos excessivos de trabalhos domésticos e sem direito a uma opinião

Partidos italianos encerram campanha marcada por incertezas

Italianos vão às urnas neste domingo em eleição disputada

Partido eurocético M5S e extrema-direita saem vencedores das eleições legislativas na Itália

 

Há por exemplo, a irmã Maria, que lembra o fato de nunca ter sido convidada à mesa do eclesiástico que ela serve há anos. “Será que ele pensa na freira que preparou a comida e que vai comer sozinha na cozinha?”, ela se pergunta. “É normal uma pessoa consagrada ter uma serviçal que também é consagrada?”.

A reportagem, cujo título é “O serviço quase gratuito das freiras”, trata também do problema da remuneração. Muitas religiosas trabalham gratuitamente, sem hora para terminar. Geralmente nenhum contrato ou acordo é assinado para estabelecer as condições de trabalho para um bispo ou um cardeal. Uma precariedade que se estende além do Vaticano, pois em numerosas paróquias e estabelecimentos hospitalares a situação é a mesma.

Um retrato da mulher no Vaticano e na Igreja

A reportagem diz que “a questão econômica é a árvore que esconde a floresta e que coloca em evidência um problema maior ainda, o do reconhecimento”. Muitas religiosas têm a impressão que muito é feito para se valorizar a vocação masculina na Igreja, mas pouco se fala da vocação feminina. “E por trás disso tudo, existe ainda, infelizmente, a ideia de que a mulher vale menos que o homem”, lamenta uma entrevistada, que acrescenta que “o padre é tudo e a irmã não vale nada”. Essa situação criou um sentimento de “forte rebelião interna”, diz o texto da revista.

Em muitos casos, as religiosas são de países pobres, da África ou América Latina, geralmente enviadas a Roma por suas congregações. Alguns carregam histórias complicadas, feridas profundas, e muitas preferem se calar, pois se sentem devedoras. De uma certa maneira para elas, estar a serviço de um homem da Igreja é uma forma de ascensão social, e voltar ao país de origem seria reconhecer uma falha.

O suplemento foi divulgado nesta sexta-feira, no mesmo dia em que o Vaticano tornou pública uma carta enviada pelo papa à escritora espanhola Maria Teresa Compte Grau. Ela está lançando o livro “Dez coisas que o papa Francisco propõe às mulheres”. Na carta, o papa não esconde certas preocupações que ele tem sobre o lugar das mulheres na Igreja. “Às vezes, o papel das mulheres se torna mais de serviçal do que de um serviço de verdade”, diz o papa.

Nos últimos anos, Francisco tem feito apelo a uma presença mais visível das mulheres na Igreja, para que tenham sobretudo mais responsabilidades pastorais.

O levantamento inédito tem feito muito barulho e tem sido reproduzido por muitos jornais no mundo todo. Ainda é cedo para se tirar conclusões, mas as palavras se liberam. A repercussão foi tanta que o Vaticano teve de retirar o artigo da página principal de seu portal de informações na Internet.

Com informações de Éric Sénanque, correspondente da RFI em Roma
Publicado originalmente na RFI Brasil

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Mulheres começam a dirigir na Arábia Saudita

Abertura é reflexo de uma mobilização de quase três décadas em defesa dos direitos das mulheres sauditas; as primeiras campanhas pelo direito a dirigir ocorreram nos anos 1990