Como artistas brasileiros apoiaram Londres contra o nazismo

Deutsche Welle
Exposição lembra colaboração de representantes do modernismo, como Portinari e Di Cavalcanti, com o Reino Unido na Segunda Guerra; em 1944, quadros foram enviados a Londres para ajudar a financiar Força Aérea britânica

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Dentro de alguns dias, nomes como Candido Portinari, Di Cavalcanti, Lasar Segall e Roberto Burle Max serão reunidos numa exposição em Londres. Lado a lado, quadros dos artistas não apenas vão mostrar a arte brasileira do século 20, como também dar uma aula de história e diplomacia.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Em 1944, enquanto Londres ainda era alvo de bombardeios da Alemanha nazista na Segunda Guerra Mundial, o Brasil ofereceu dois tipos de colaboração: a militar e a cultural. Por solidariedade ao Reino Unido, o governo brasileiro enviou 25 mil soldados para lutar ao lado dos Aliados na Itália. Ao mesmo tempo, 70 artistas modernistas mandaram, de navio, 168 quadros de presente para a Inglaterra.

"Além das pinturas, eles enviaram também 162 fotos de arquitetura brasileira. Esse gesto fez surgir a primeira e a maior exposição de artistas brasileiros no Reino Unido até hoje", diz Hayle Gadelha, chefe do setor cultural da Embaixada do Brasil, em Londres.

Passados 74 anos, essa colaboração pouco conhecida virou tema da exposição A Arte da Diplomacia: Modernismo Brasileiro Pintado para a Guerra. A mostra ficará em cartaz na Embaixada do Brasil de Londres entre 6 de abril e 22 de junho, e tem entrada gratuita.

Quadros como arma

Artistas modernistas brasileiros até então desconhecidos no exterior tiveram a iniciativa de enviar as obras à Inglaterra durante a Segunda Guerra para que fossem vendidas. Queriam que o dinheiro fosse doado para a Royal Air Force (RAF), a Força Aérea britânica.

Em uma carta aberta publicada em O Jornal, de 14 de dezembro de 1943, os modernistas disseram que era um orgulho estar ao lado da Inglaterra na luta contra o barbarismo nazifascista.

"Montar uma exposição em meio aos ataques não foi fácil", lembra Gadelha. Quando os quadros chegaram a Londres, não havia um espaço para abrigá-los. A Tate Gallery (hoje chamada de Tate Britain) havia sido bombardeada, e a National Gallery estava fechada.

"A Royal Academy of Arts, [um dos locais] onde a exposição aconteceu, foi relutante e se negou a sediar a mostra duas vezes, porque os curadores eram muito conservadores. Foi preciso uma intervenção política para dar certo", diz Gadelha.

Depois de ser pressionado, o presidente da Royal Academy, Alfred Munnings, escreveu uma carta para o chefe da diplomacia britânica da época, Anthony Eden, dizendo que, apesar de não gostar das obras, iria atender ao pedido do governo.

"Seria muito rude não aceitar um presente desses, principalmente durante a guerra", explica Dawn Ades, historiadora da arte .

E, mesmo a contragosto dos organizadores britânicos, a mostra foi um sucesso. Mais de 100 mil pessoas compareceram, inclusive a rainha Elizabeth, mulher do rei George 6° e mãe da rainha Elizabeth 2ª. E logo depois, a exibição ainda foi levada a outras sete galerias no Reino Unido.

"Apesar de ser perigoso, as pessoas queriam sair de casa durante a guerra, estavam sedentas por cultura. Queriam mostrar resiliência, e não medo. Esse sentimento as ajudava a sobreviver", afirma Dawn.

Documentário sobre impeachment de Dilma fica em 3º lugar na premiação do público no Festival de Berlim

Alto-comissário de Direitos Humanos da ONU diz estar 'preocupado' com intervenção no Rio

Herdeiras do Judiciário: pensões vitalícias a 189 viúvas e filhas de ex-ministros custam R$ 36 mi por ano à União

 

Dos 168 quadros expostos, 80 foram vendidos. sendo que 47 só na primeira semana. Na época, os organizadores arrecadaram um total de 1.200 libras. O quadro com o preço mais alto foi um de Portinari, vendido por 180 libras. Algumas obras de Tarsila do Amaral, Di Cavalcanti e Iberê Camargo, que hoje valem milhões, ficaram sem comprador.

Gadelha fez do assunto o seu tema de doutorado e, durante uma pesquisa de quase três anos, conseguiu localizar parte das obras. A nova exposição na Embaixada do Brasil em Londres reunirá 24 quadros de 20 artistas.

As obras estavam espalhados por diversas galerias do Reino Unido e serão exibidos juntos pela primeira vez. Encontrar as peças e negociar o empréstimo foi bastante complicado, conta Gadelha.

The National Archive

Noite de abertura da exposição de artistas brasileiros na Royal Academy of Arts de Londres, em 1944

"Cada uma exige um tipo de luminosidade, de umidade e de segurança. Fico só imaginando como conseguiram organizar uma exposição muito maior durante a guerra e sem recursos. Só o fato de ela ter acontecido já foi algo espetacular", diz.

Legado diplomático e artístico

O embaixador do Brasil em Londres, Eduardo dos Santos, disse que a mostra de agora será uma celebração do poder da arte e da diplomacia em aproximar os países.

"Muito mais do que mostrar os artistas, que já são conhecidos, queremos expor o legado diplomático da mostra de 1944. Por algum motivo, que imagino seja a guerra, esse assunto ficou esquecido. Eu mesmo só fiquei sabendo de tudo isso em 2015, quando cheguei a Londres."

Além do legado diplomático, houve o artístico. O atual curador da Royal Academy of Arts, Adrian Locke, ressalta que alguns quadros daquela exposição fazem parte hoje do acervo público do Reino Unido. O They Amuse Themselves, de José Cardoso Junior, foi a primeira obra brasileira adquirida pela Tate Gallery.

"Ela nunca foi exposta, estava guardada nos galpões. Espero que a história de como essas obras vieram parar no Reino Unido as ajude a ganhar mais destaque. De certa forma, com a nova exposição, o verdadeiro valor histórico e cultural delas finalmente será reconhecido", diz Locke.

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

'Não podemos mais confiar na Casa Branca'

Ministro do Exterior da Alemanha reage às declarações de Trump, que descreveu a UE como um 'inimigo' dos EUA no comércio. Heiko Maas convoca uma Europa 'unida e soberana' para preservar a parceria com Washington