Itália registra em 2017 menor nível de desemprego em quatro anos

Queda de 0,5% em relação a 2016 é o mesmo registrado nos últimos três meses; taxa de pessoas empregadas chega a 58%, nível mais alto desde 2009

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

A taxa de desemprego em 2017 ficou em 11,2% na Itália, o que equivale a uma queda de 0,5% em relação ao ano anterior, informou o Instituto Nacional de Estatística (Istat) nesta terça-feira (13/03). De acordo com o relatório, o percentual é o mesmo registrado nos últimos três meses e o menor nível desde 2013. Ao todo, o número de pessoas que procuram emprego caiu em mais de 100 mil (-105 mil, -3,5%).


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Na média de 2017, a taxa de desemprego diminuiu em todas as áreas do país, mas ainda há locais que a cifra permanece acentuada, como, por exemplo, a região sul (19,4%), que tem um percentual três vezes maior que a norte (6,9%) e aproximadamente duas em relação ao centro (10%).

Segundo o Istat, o número registra um crescimento de postos de trabalhos pelo quarto ano consecutivo, o equivalente a um aumento de 1,2%, ou seja, 265 mil unidades. Em relação ao número de funcionários, os dados apontam que na Itália há mais de 23 milhões.

Além disso, o Instituto acrescenta que a taxa de emprego teve um aumento de 58%, o nível mais alto desde 2009, embora tenha "permanecido 0,7% abaixo do pico de 2008", o valor máximo antes da crise. 

Flickr

Desemprego na Itália chega ao menor nível em quatro anos

Freiras denunciam trabalho serviçal e falta de reconhecimento na Igreja Católica

Papa Francisco autoriza canonização de Óscar Romero, arcebispo assassinado em El Salvador

Temer tem poder para rever decisão de Lula e extraditar Battisti, defende procuradora-geral

 

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Mulheres começam a dirigir na Arábia Saudita

Abertura é reflexo de uma mobilização de quase três décadas em defesa dos direitos das mulheres sauditas; as primeiras campanhas pelo direito a dirigir ocorreram nos anos 1990