Operação Condor: é 'muito difícil' investigar crimes da ditadura do Brasil, diz procuradora uruguaia ao depor na Itália

Segundo Mirtha Guianze, documentos secretos e falta de processos contra generais dificultam apuração; Justiça da Itália apura participação de agentes brasileiros em crimes durante ditadura

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Mirtha Guianze, ex-procuradora uruguaia, depôs na manhã desta segunda-feira (09/04) em Roma no processo italiano que apura o envolvimento de ex-agentes da ditadura militar do Brasil no assassinato de Lorenzo Vinãs Gigli, cidadão ítalo-argentino que militava no movimento Montoneros e desapareceu na fronteira com o Uruguai.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Ela, que investiga sequestros durante a repressão, reclamou dos problemas que enfrenta no Brasil para fazer sua apuração. “No Brasil, ainda existem documentos secretos e investigar crimes cometidos aquele tempo (ditadura militar) é ainda muito difícil. Além disso, não existem processos contra generais brasileiros”, relatou.

Guianze foi ouvida na I Corte de Assis do Tribunal de Roma. Durante 45 minutos, Guianze foi interrogada pela procuradora Tiziana Cugini e explicou suas investigações, que começaram a partir de cidadãos uruguaios que haviam sido sequestrados no Paraguai após deixarem o Brasil.

Segundo ela, o Rio Grande do Sul foi o Estado que “mais colaborou com o Uruguai durante a Operação Condor”. A ex-procuradora também apontou o dedo para o Itamaraty. “O Itamaraty sabia de tudo o que acontecia  em outros países. As embaixadas brasileiras trocavam informações através do CIEX [Centro de Informações do Exterior do Itamaraty], uma rede clandestina de espionagem que era vinculada ao SNI [Serviço Nacional de Informações]”, disse.

No entanto, Guianze não conseguiu lembrar os nomes dos agentes brasileiros envolvidos nos casos que investigou.  “Os nomes dos brasileiros eram complicados. Por causa do duplo sobrenome, ficava difícil identificá-los”, afirmou.

Os brasileiros acusados pelo Ministério Público Italiano são: João Osvaldo Leivas Job, Carlos Alberto Ponzi e Átila Rohrsetzer. Para a Justiça italiana, na data em que Viñas foi sequestrado, Leivas Job era secretário de Segurança do Rio Grande do Sul; Ponzi chefiava a agência do Serviço Nacional de Informações (SNI) em Porto Alegre; e Rohrsetzer era diretor da Divisão Central de Informações do Rio Grande do Sul.

Foto: Janaina Cesar/Opera Mundi

Guianze foi ouvida na I Corte de Assis do Tribunal de Roma

MST bloqueia rodovias pelo Brasil em protesto contra pedido de prisão de Lula

Movimentos sociais convocam manifestação na Argentina contra pedido de prisão de Lula

Argentina: Avós da Praça de Maio repudiam pedido de prisão de Lula

 

A ex procuradora relatou que, no Uruguai, não é possível processar pessoas à revelia, como na Itália. Por esse motivo, nenhum agente brasileiro ou paraguaio foi investigado pelos crimes da Condor - ao contrário dos uruguaios. “Hoje, muitos ex torturadores estão sendo processados, e outros estão presos no meu país”, disse.

Histórico

O caso específico contra os brasileiros teve início em abril de 2015, quando Opera Mundi revelou com exclusividade que o Ministério Público Italiano denunciaria Leivas Job, Carlos Ponzi e Rohrsetzer pela morte de Viñas.

Desde janeiro de 2016, a Corte de Roma já ouviu cinco das 34 testemunhas previstas para depor sobre o caso: a arquivista Giulia Barrera e a historiadora Federica Martellini, ambas italianas; o gaúcho Jair Krischke, presidente da ONG Movimento de Justiça e Direitos Humanos; e a argentina Silvia Tolchinsky, ex-militante do movimento Montoneros. Ela foi a última pessoa a ver Viñas vivo.

As próximas testemunhas chamadas pelo Ministério Público da Itália para depor são os jornalistas Gustavo Molfino (Argentina) e Patricia Mayorga (Chile), em audiência que deve acontecer no dia 14 de maio.

Opera Mundi é o único veículo de comunicação brasileiro a acompanhar o processo.

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

A música nos livros

A música nos livros

Música clássica, música popular, música engajada, música e política, música num romance policial. Se você gosta de música, não pode deixar de conhecer esses 20 títulos da editora Alameda. Clique aqui e confira. O frete é grátis.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias