Moscou afirma ter 'provas irrefutáveis' de que ataque químico na Síria teria sido 'encenação'

Segundo o ministro de Relações Exteriores, Serguei Lavrov, 'serviços secretos de um país' que faz 'campanha russofóbica' (o qual ele não citou) está envolvido na encenação

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

A Rússia possui provas “irrefutáveis” de que um alegado ataque químico na cidade síria de Douma foi uma encenação organizada inclusive por serviços secretos estrangeiros, disse nesta sexta-feira (13/04) o chefe do Ministério das Relações Exteriores do país, Sergei Lavrov.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

"Dispomos de dados irrefutáveis de que foi mais uma encenação e que nesta encenação se envolveram serviços secretos de um país que hoje em dia se esforça para estar nas primeiras fileiras da campanha russofóbica", declarou Lavrov durante briefing à imprensa em Moscou.

O chanceler lembrou que, há poucos dias, um grupo de especialistas da OPAQ (Organização para a Proibição de Armas Químicas) partiu para o território sírio.

"Ele deve chegar a Damasco, se não me engano, amanhã [sábado] de manhã, e esperamos que vá para Douma sem demoras, onde nossos especialistas, que inspecionaram o local, não acharam nenhuma prova do uso de armas químicas, cloro ou qualquer outra substância", explicou.

МИД России

Lavrov: ataque químico na Síria foi encenação, diz

Siria retomou controle de cidade onde teria havido ataque químico, anuncia Moscou

'Nunca disse quando um ataque à Síria ocorreria', afirma Trump

Guerra na Síria entre potências é improvável, dizem especialistas

 

No fim da semana passada, diversos países – entre eles, EUA e França – acusaram o governo de Bashar Al Assad de realizar um ataque qu[imico na cidade de Douma, em Ghouta Oriental. Moscou refutou os relatos sobre a suposta bomba de cloro, supostamente lançada por militares sírios. Damasco, por sua vez, nega categoricamente que tenha feito algo.

Reino Unido

O conselho de Ministros do Reino Unido autorizou nesta quinta-feira (13/04) a primeira-ministra britânica, Theresa May, a continuar coordenando, juntamente com os Estados Unidos e a França, uma ação militar para impedir o uso de armas químicas na Síria.

"O gabinete concordou com a necessidade de tomar medidas para aliviar o sofrimento humanitário e impedir o uso de armas químicas pelo regime de [Bashar al-Assad]", explicou May, em comunicado. A nota ainda ressalta que a premiê britânica deve trabalhar com os aliados, EUA e França, em uma eventual resposta coordenada internacional.

Ainda na quinta, a Casa Branca afirmou que nenhuma decisão foi tomada ainda sobre a Síria. "Os Estados Unidos continuam a examinar as informações de inteligência", afirmou a porta-voz do governo norte-americano, Sarah Sanders.

(*) Com Sputnik e ANSA

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Os supersalários das Forças Armadas

Nossa reportagem levantou todos os salários de militares e encontrou centenas acima do teto, indenizações de mais de R$ 100 mil e valores milionários pagos no exterior