Na ONU, Síria promete resposta a eventual ataque de Estados Unidos, Grã-Bretanha ou França

Por sua vez, secretário-geral António Guterres alertou para o risco de uma nova Guerra Fria por conta dos desenvolvimentos no conflito no país

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O embaixador sírio na ONU, Bashar Jaafari, afirmou nesta sexta-feira (13/04), durante reunião do Conselho de Segurança da ONU, que o país vai responder caso seja atacado por Estados Unidos, Reino Unido ou França, por conta do suposto uso de armas químicas contra a população local.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

"Esses três países — Estados Unidos, Grã-Bretanha e França —, se eles pensam que podem nos atacar e atacar nossa soberania, não teremos outra escolha senão usar o Artigo 51 da Carta da ONU, que nos dá o direito de nos defendermos. Não é uma ameaça, é uma promessa. Não permitiremos que ninguém ataque nossa soberania", disse.

O artigo 51, citado por Jaafari, diz que um membro da ONU tem direito à legítima defesa, individual ou coletiva, no caso de ataque armado, até que o Conselho de Segurança eventualmente intervenha no caso.

Jaafari também afirmou que as forças dos EUA no Mediterrâneo têm em sua mira o governo sírio e seus aliados, e não supostos "terroristas".

Por sua vez, o secretário-geral das Nações Unidas, o português António Guterres, alertou para o risco de uma nova Guerra Fria por conta dos desenvolvimentos na Síria. "O aumento das tensões e a incapacidade de encontrar um compromisso para estabelecer um mecanismo de investigação ameaçam levar a uma escalada militar total", afirmou.

UN Photo

Jaafari disse que Síria vai reagir caso seja atacada

'Nunca disse quando um ataque à Síria ocorreria', afirma Trump

Guerra na Síria entre potências é improvável, dizem especialistas

Moscou afirma ter 'provas irrefutáveis' de que ataque químico na Síria teria sido 'encenação'

 

A reunião no Conselho de Segurança foi pedida pela Rússia, que é um dos membros permanentes e que acusou, mais cedo, países “russofóbicos” de montarem o suposto ataque com armas químicas na região de Duma, em Ghouta Oriental, na Síria.

"Dispomos de dados irrefutáveis de que foi mais uma encenação e que nesta encenação se envolveram serviços secretos de um país que hoje em dia se esforça para estar nas primeiras fileiras da campanha russofóbica", afirmou o ministro de Relações Exteriores do país, Sergei Lavrov.

Armas químicas

Especialistas da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAC) começarão a atuar na Síria em breve, lembrou Jaafari. "O governo sírio convidou a missão de investigação da OPAQ para visitar a Síria e ir ao local onde ocorreu o incidente. Estamos prontos para fornecer todas as condições necessárias para que este grupo trabalhe de forma transparente", afirmou.

Segundo o diplomata, o convite para os especialistas da OPAC mostra que Damasco "acredita em habilidades diplomáticas e não teme [a investigação]".

(*) Com Sputnik

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

A música nos livros

A música nos livros

Música clássica, música popular, música engajada, música e política, música num romance policial. Se você gosta de música, não pode deixar de conhecer esses 20 títulos da editora Alameda. Clique aqui e confira. O frete é grátis.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias