Sessão em defesa da democracia brasileira reúne personalidades políticas em Lisboa

Estiveram presentes no evento em Lisboa nomes da política brasileira como Guilherme Boulos e Tardo Genro; o professor Boaventura Sousa Santos e o deputado espanhol Pablo Iglesias também participaram

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Um encontro no teatro Capitólio, em Lisboa, para discutir a situação da democracia brasileira e que foi organizado por Pilar del Rio, presidente da Fundação José Saramago, e Boaventura de Sousa Santos, do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, reuniu Guilherme Boulos, Tarso Genro, Pablo Iglesias e Catarina Martins. No mesmo evento, que aconteceu no dia 12 de abril, foi lida uma mensagem de Manuela d'Ávila. Apesar de ter sido anunciada a sua presença, Ana Catarina Mendes, secretária-geral adjunta do PS, e Cristina Narbona, presidente do PSOE, não estiveram presentes.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Na sua intervenção, Boaventura de Sousa Santos afirmou: "Quem podia imaginar que o presidente mais brilhante da história do Brasil estivesse hoje preso em uma masmorra e ainda por cima ilegalmente?”. Pablo Iglesias afirmou que “a defesa da democracia no Brasil é uma causa de todos os democratas no mundo”.

Guilherme Boulos, candidato do PSOL, afirmou que o Brasil vive a crise mais grave desde a ditadura militar, destacando que: “Ela se expressa com uma escalada de violência política, com tiros, intolerância, ódio sendo destilado no lugar do debate político, que teve como principal expressão o assassinato brutal e covarde da Marielle [Franco]”.

Boulos denunciou também a judicialização da política, salientando que “a maior expressão dessa judicialização é a prisão do ex-presidente Lula, que ocorre sem qualquer prova” e apontou “se [Sérgio] Moro quisesse fazer política, que fosse ser candidato à presidência da República e encarasse um debate democrático com o povo brasileiro”.

Mídia Ninja

Boaventura Sousa Santos e Guilherme Boulos discursaram no ato

Criador do maior partido da Itália acusa 'golpe' no Brasil e diz que Lula é alvo de 'perseguição'

Espanha e Alemanha discutirão extradição de Puigdemont

Polícia entra na Sorbonne para retirar estudantes que ocupavam o local

 

Na sua intervenção, Catarina Martins afirmou: “Quando as liberdades democráticas estão em causa nós estamos presentes e dizemos solidários, porque sabemos que o fascismo só avança se estivermos calados”.

A coordenadora do Bloco de Esquerda disse que não está em jogo a corrupção nem a avaliação política de Lula como presidente, ou se se é a favor ou contra Lula, mas sim a defesa da democracia brasileira.

“Nós não nos metemos em julgamentos, o que não permitimos é que juízes se transformem em coronéis para fazerem uma fraude judicial, que é uma fraude eleitoral que não deixa o povo do Brasil escolher em liberdade, como deve fazer”, afirmou Catarina.

A terminar a sua intervenção, Catarina Martins disse: “Apesar de você, apesar de toda a perseguição, ainda vamos ver este jardim a florescer”.

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

A música nos livros

A música nos livros

Música clássica, música popular, música engajada, música e política, música num romance policial. Se você gosta de música, não pode deixar de conhecer esses 20 títulos da editora Alameda. Clique aqui e confira. O frete é grátis.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias