Salvini pressiona M5S, mas Itália continua sem governo

Partido antissistema não quer se aliar a Silvio Berlusconi; prazo dado por presidente italiano para que governo seja formado se encerra amanha

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Na véspera do prazo dado pelo presidente Sergio Mattarella, os partidos Liga do Norte e Movimento 5 Estrelas (M5S) continuam longe de um acordo para formar um novo governo na Itália.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Em mais uma rodada de consultas com a presidente do Senado, Elisabetta Alberti Casellati, a legenda ultranacionalista e a sigla antissistema se mantiveram irredutíveis em suas posições.

Como já havia dito anteriormente, o líder do M5S, Luigi Di Maio, aceitou discutir um acordo de governo com a Liga, de Matteo Salvini, mas desde que as conversas não envolvam Silvio Berlusconi.

Segundo Di Maio, apesar de "todas as aberturas", não é possível superar "certos limites". "Com Matteo Salvini, temos sintonia em vários temas. É claro que há disponibilidade em discutir o programa", declarou.

Wikimedia Commons

o líder do M5S, Luigi Di Maio (centro), aceitou discutir um acordo de governo com a Liga, de Matteo Salvini, mas desde que as conversas não envolvam Silvio Berlusconi

Criador do maior partido da Itália acusa 'golpe' no Brasil e diz que Lula é alvo de 'perseguição'

Instituto afirma que laudo da Hydro não reflete a realidade sobre o vazamento no Pará

Partidos italianos retomam negociações para formar governo

 

Além disso, o líder do M5S voltou a rechaçar a hipótese de abrir mão da cadeira de primeiro-ministro, uma das exigências de Salvini. "Di Maio no governo sem ser na presidência do Conselho [dos Ministros]... Imaginem se o M5S poderia estar disponível a isso...", acrescentou.

As declarações foram dadas logo após o secretário da Liga ter afirmado que havia visto "sinais de novidade" no Movimento 5 Estrelas. "Confiamos que também o M5S quer um governo que represente a vontade dos italianos", disse.

Salvini faz parte de uma aliança conservadora com o moderado Força Itália (FI), de Berlusconi, e o radical Irmãos da Itália (FDI), de Giorgia Meloni, mas o M5S só aceita negociar com a Liga. Como a coalizão de direita tem mais assentos no Parlamento que o movimento antissistema (42% a 35%), somente sua união pode garantir a poltrona de primeiro-ministro para Salvini.

Por outro lado, o secretário da Liga já se mostrou disponível a aceitar uma figura "terceira", hipótese ainda rechaçada pelo M5S. As negociações serão conduzidas pela presidente do Senado, Elisabetta Casellati (FI), até esta sexta-feira (20/04), quando termina o mandato exploratório dado por Mattarella.

Se o impasse persistir, o presidente da República pode passar a tarefa ao chefe da Câmara, Roberto Fico (M5S), que tentaria provavelmente construir uma maioria com o Partido Democrático (PD), de centro-esquerda.

A Itália está sem um governo com plenos poderes há quase 50 dias, sendo que o recorde é de 1992, quando o país ficou 82 dias sem saber quem seria seu primeiro-ministro.

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Escravidão e Liberdade

Escravidão e Liberdade

A editora Alameda traz uma seleção especial de livros escravidão, abolição do trabalho escravo e sobre cultura negra. Conheça o trabalho de pesquisadores que se dedicaram profundamente a esses temas, centrais para o debate da questão racial e da história do Brasil. 

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Irlandeses votam a favor da legalização do aborto

Maioria significativa respondeu com 'sim' em referendo sobre reforma da atual legislação do aborto na Irlanda, uma das mais restritivas da Europa; autoridades governamentais saúdam vitória da democracia em dia histórico

 

Philip Roth: um escritor aberto ao outro

Aos poucos, a geração de escritores que me formou e que foi decisiva na minha opção por estudar a literatura contemporânea vai terminando; e eu vou ficando cada vez menos contemporâneo