Protestos com mortos e feridos marcam transferência de embaixada dos EUA em Israel para Jerusalém

Segundo Ministério da Saúde palestino, Anas Quideh, de 21 anos, foi a primeira vítima desta segunda, ao ser atingido por uma bala dos serviços de segurança de Israel

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Atualizada às 14h07

Ao menos 52 palestinos foram mortos na manhã desta segunda-feira (14/05) por forças israelenses, que deixaram também uma centena de feridos, durante os protestos contra a abertura da Embaixada dos EUA em Jerusalém, que aconteceu hoje.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Segundo o porta-voz do Ministério da Saúde palestino em Gaza, Ashraf al Qedra, Anas Quideh, de 21 anos, foi a primeira vítima nesta segunda, ao ser atingido por uma bala dos serviços de segurança de Israel. Entre os mortos, há duas crianças: Hamdan Qadeh (12 anos) e Izaldin Musa Al Samak (14).

Desde 30 de março, milhares protestam na fronteira, na chamada Grande Marcha do Retorno, que evoca o direito dos palestinos de retornarem para locais de onde foram expulsos em 1948. Esta segunda também marca a véspera do aniversário da Nakba (Catástrofe), o dia que colocou em exílio mais de 700 mil palestinos após a criação do Estado de Israel.

Reprodução/YouTube

Protestos com mortos marcam transferência de embaixada dos EUA para Jerusalém

Israel lança mísseis contra alvos irarianos na Síria

Irã diz que ataques de Israel à Síria foram 'infundados' e critica 'silêncio' da comunidade internacional

Aumenta a tensão em torno da inauguração de embaixada dos EUA em Jerusalém

 

A transferência da embaixada foi realizada nesta segunda-feira (14/05). As principais autoridades norte-americanas participaram do evento, incluindo a filha de Trump, Ivanka, e seu marido, Jared Kushner. O presidente dos EUA, por sua vez, não esteve presente, mas discursou por meio de um vídeo para cerca de 800 funcionários.

A nova embaixada foi instalada no bairro de Arnona, em Jerusalém Ocidental, em um prédio construído em 2010, dentro da seção de vistos do consulado-geral dos EUA.

“A administração Trump está promovendo a anarquia internacional ao apoiar Israel e suas flagrantes e sistêmicas violações das resoluções de legitimidade internacional”, disse à teleSUE o secretário-geral da Organização para Libertação da Palestina (OLP), Saeb Erekat.

Paraguai e Guatemala também anunciaram que irão transferir suas embaixadas para Jerusalém.

(*) Com Ansa e teleSUR

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Escravidão e Liberdade

Escravidão e Liberdade

A editora Alameda traz uma seleção especial de livros escravidão, abolição do trabalho escravo e sobre cultura negra. Conheça o trabalho de pesquisadores que se dedicaram profundamente a esses temas, centrais para o debate da questão racial e da história do Brasil. 

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

O primeiro inverno

O outono ensolarado e de gelo faz um negócio com os corpos: ainda que haja tanto frio o calor do sol nos alegra os poros, como se se depositasse feito amante num hotel, deslizando sobre nossa pele