Tom Wolfe, mestre do jornalismo literário, morre aos 87 anos

Escritor e jornalista estava internado em um hospital em Manhattan tratando uma infecção; Wolfe foi um dos principais nomes do estilo que reinventou a reportagem dos anos 1960

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O jornalista e escritor norte-americano Tom Wolfe morreu nesta segunda-feira (14/05) aos 87 anos em Nova York, nos Estados Unidos.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Wolfe foi um dos principais nomes do "Novo Jornalismo" (New Journalism), o jornalismo literário, estilo que reinventou as técnicas de reportagem durante os anos 1960 e contou com vários outros adeptos como Gay Talese, Truman Capote e Hunter S. Thompson.

Segundo seu agente, Lynn Nesbit, o escritor faleceu em um hospital em Manhattan, onde estava internado tratando de uma infecção.

Além de coletâneas de reportagens e artigos como “Radical Chique e o Novo Jornalismo”, Wolfe foi autor de romances de sucesso como “A Fogueira das Vaidades” (1987), que foi adaptada para o cinema em 1990, com direção de Brian de Palma.

Reprodução

Wolfe foi um dos principais nomes do "New Journalism", estilo que reinventou a reportagem dos anos 1960

Em Tempo: um jornal para enfrentar a ditadura de modo contundente

Veneza abre vagas para 'aspirantes a gondoleiros'

Jornal Abertura: união da luta do movimento negro com o combate à ditadura

 

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Escravidão e Liberdade

Escravidão e Liberdade

A editora Alameda traz uma seleção especial de livros escravidão, abolição do trabalho escravo e sobre cultura negra. Conheça o trabalho de pesquisadores que se dedicaram profundamente a esses temas, centrais para o debate da questão racial e da história do Brasil. 

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

O primeiro inverno

O outono ensolarado e de gelo faz um negócio com os corpos: ainda que haja tanto frio o calor do sol nos alegra os poros, como se se depositasse feito amante num hotel, deslizando sobre nossa pele