ONU cria comissão independente para investigar se Israel cometeu crimes de guerra em Gaza

Dos 45 países que participaram da votação, 29 votaram a favor da elaboração da comissão e 14 se abstiveram; EUA e Austrália foram os únicos contrários

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O Conselho de Direitos Humanos da ONU aprovou nesta sexta-feira (18/05) uma resolução que estabelece uma comissão independente de investigação sobre possíveis crimes de guerra cometidos por Israel durantes as últimas manifestações palestinas em Gaza, quando 60 manifestantes foram mortos e mais de 2 mil ficaram feridos.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Dos 45 países que participaram da votação, 29 votaram a favor da elaboração da comissão, 14 se abstiveram e dois Estados foram contrários à resolução, Estados Unidos e Austrália.

Entre os que se abstiveram, estavam Reino Unido, Alemanha, Japão e Panamá. Dos 29 que foram favoráveis à comissão estavam China, Cuba, Brasil, Iraque, Arábia Saudita, Catar, Espanha e Paquistão.

Na abertura da sessão do Conselho, o alto comissário para Direitos Humanos das Nações Unidas, Zeid Ra’ad Al Hussein, condenou o uso “totalmente desproporcional” das fora utilizada pelo Estado de Israel. “Ninguém está mais seguro depois dos terríveis acontecimentos desta semana”, afirmou Al Hussein.

Reprodução

Dos 45 países que participaram da votação, 29 votaram a favor da elaboração da comissão e 14 se abstiveram; EUA e Austrália foram os únicos contrários

Violência contra palestinos em Gaza 'não é confronto, é massacre', diz especialista

Resposta de Israel aos protestos em Gaza é a de uma 'potência acuada', diz especialista da USP

'Não vamos abandonar a nossa terra', diz embaixador palestino no Brasil

 

O alto comissário ainda destacou que os manifestantes palestinos que protestavam em Gaza na última segunda-feira “estavam completamente desarmados e foram baleados nas costas e no peito, na cabeça e nos membros inferiores”.

Em sua conta oficial no Twitter, o governo de Israel rejeitou “a resolução que foi adotada por uma maioria anti-Israel” e afirmou que o país “continuará a defender sues cidadãos e soldados como tem o direito de defender a si mesmo”.

Gaza

Na última segunda-feira (14/05), véspera da Nakba, data que marca a expulsão dos palestinos do território, a mudança da Embaixada dos EUA em Israel para a cidade de Jerusalém intensificou os protestos de palestinos e a violenta repressão do exército israelense.

Ao todo, 60 palestinos foram mortos pelas Forças Armadas de Israel, e mais de mil ficaram feridos na cerca que separa os dois territórios.

O Escritório do Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos já havia se manifestado na última terça feira (15/05), dizendo que Israel ignorou a lei internacional sobre o uso da força ao atacar palestinos.

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Mulheres começam a dirigir na Arábia Saudita

Abertura é reflexo de uma mobilização de quase três décadas em defesa dos direitos das mulheres sauditas; as primeiras campanhas pelo direito a dirigir ocorreram nos anos 1990