Com Maduro, venezuelanos defendem legado de Chávez, diz presidente de Cuba; veja repercussão

Em carta aberta dirigida a Maduro, o presidente de Cuba, Miguel Diaz-Canel, manifestou suas 'mais fraternas felicitações por sua contundente vitória nas eleições presidenciais'

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Líderes mundiais e organizações da sociedade civil de vários países felicitaram os venezuelanos nesta segunda-feira (21/05) pelas eleições presidenciais realizadas no país neste domingo e expressaram cumprimentos ao candidato vencedor, o presidente venezuelano Nicolás Maduro. Houve, por outro lado, nações que decidiram não reconhecer os resultados.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Em carta aberta dirigida a Maduro, o presidente de Cuba, Miguel Diaz-Canel, manifestou suas "mais fraternas felicitações por sua contundente vitória nas eleições presidenciais”. O cubano também escreveu que “o povo bolivariano e chavista demonstrou mais uma vez sua determinação de defender o legado de Chávez que tão dignamente representa”.

Ainda de Cuba, o ex-presidente do país Raúl Castro também se dirigiu ao vencedor do pleito venezuelano, afirmando que, "com orgulho revolucionário, te envio em nome do Partido Comunista de Cuba e em meu próprio as mais calorosas felicitações por sua transcendental vitória eleitoral".

Reprodução

Em carta aberta dirigida a Maduro, o presidente de Cuba, Miguel Diaz-Canel, manifestou suas “mais fraternas felicitações por sua contundente vitória nas eleições presidenciais”

Com vitória de Maduro, Venezuela triunfou ante o império norte-americano, diz Evo

Reeleição de Maduro, o triunfo de uma revolução popular

Chavismo é 'força real' e 'merece respeito', diz Maduro

 

O ex-chefe cubano se referiu “ao valoroso povo venezuelano, que deu novamente mostras de lealdade e compromisso com a revolução bolivariana e chavista”.

El Salvador

Salvador Sánchez, presidente de El Salvador, também expressou sua solidariedade com Nicolás Maduro e cumprimentou “os cidadãos da República Bolivariana da Venezuela pela jornada eleitoral democrática”.

Em sua conta no Twitter, o mandatário ainda afirmou que “estas eleições são um passo fundamental em seu avanço democrático, por isso reconhecemos plenamente esse resultado”.

As organizações Coordenadoria Panamenha de Solidariedade com a República Bolivariana da Venezuela e o Comitê Dominicano de Solidariedade com a Revolução Bolivariana da Venezuela manifestaram seu apoio aos resultados e a Nadyri.

Grupo de Lima

Em nota divulgada nesta segunda-feira (21/05) pelo Ministério das Relações Exteriores do Brasil, o Grupo de Lima, formado por Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Guiana, Honduras, México, Panamá, Paraguai, Peru e Santa Lúcia, afirmou não reconhecer as eleições presidenciais venezuelanas.

Segundo o comunicado, os países “não reconhecem a legitimidade do processo eleitoral que teve lugar na República Bolivariana da Venezuela, concluído em 20 de maio passado, por não estar em conformidade com os padrões internacionais de um processo democrático, livre, justo e transparente”.

Além disso, o grupo promete “reduzir o nível de suas relações diplomáticas com a Venezuela, razão pela qual chamarão para consultas os embaixadores em Caracas e convocarão os embaixadores da Venezuela para expressar nosso protesto”.

EUA

No domingo, antes mesmo do resultado das eleições, o subsecretário do Departamento de Estado dos Estados Unidos, John Sullivan, afirmou que Washington não iria reconhecer o pleito venezuelano.

Desde 2015, os EUA consideram a Venezuela como uma “ameaça para a segurança nacional” e já aplicaram diversas sanções que afetaram profundamente a economia venezuelana. Em agosto de 2017, o presidente norte-americano Donald Trump chegou a falar sobre uma intervenção militar contra a Venezuela.

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias