Versus: arte, literatura e cinema contra a ditadura militar

Jornal existiu entre 1975 e 1979, deu voz ao movimento feminista, à luta dos negros e buscava integração latino-americana por meio das artes e da literatura; jornal trazia o Afro Latino América como suplemento

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Um jornal que politizava a cultura e tratava a política por um viés cultural, elaborado em uma redação que abrigou militantes perseguidos pela ditadura civil-militar brasileira, que serviu de berço para o nascimento do Movimento Negro Unificado (MNU), para a estreia do jornal feminista Nós, Mulheres e como ponto de encontro para inúmeras reuniões em busca da democracia. Esse era o Versus: criado e dirigido pelo jornalista gaúcho Marcos Faerman, o jornal abria os olhos e as páginas para a América Latina e criticava a ditadura de maneira fina e inteligente.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Edição nº01 de Versus - ReproduçãoFundado em 1975, o Versus se propunha a debater a conjuntura política do Brasil e de outros países latino-americanos utilizando as artes, a literatura, música e cinema. Reunindo grandes autores contemporâneos como Pablo Neruda, Gabriel Garcia Marquez, Eduardo Galeano e Julio Cortázar, o jornal trazia histórias de heróis como Simon Bolívar e José Martí, estampadas em capas coloridas, com desenhos de alto nível e ensaios fotográficos.

Natural de Porto Alegre, Faerman já era um jornalista experiente e premiado quando iniciou a aventura de montar o Versus. Começou a carreira no gaúcho Última Hora e, por mais de 20 anos, trabalhou como repórter no extinto Jornal da Tarde, onde recebeu, em 1974, o Prêmio Esso de jornalismo. Militante do movimento estudantil, membro do PCB (Partido Comunista Brasileiro) e um dos fundadores do POC (Partido Operário Comunista), Faerman gostava do confronto político e queria fazer do Versus um ponto de partida para a pluralização da ideias e da resistência contra os militares.

Assim, em 1977, quando a jornalista Neusa Maria Pereira leva para o Versus um manifesto que ela havia escrito sobre a discriminação sofrida pela mulher negra no Brasil, o editor do jornal vê ali uma oportunidade de disseminar ainda mais o debate sobre a resistência e dar voz a todos os grupos que estivessem participando da luta democrática.

Afro Latino América

“Quando eu levei o manifesto lá, eles me convidaram para montar uma seção dentro do jornal que discutisse e cobrisse a causa negra no Brasil e na América Latina”, conta Neusa. A jornalista então convidou seus amigos de militância para darem início ao Afro Latino América, espécie de suplemento dentro do Versus que dava destaque à causa negra e combatia a noção falaciosa, criada pelo governo militar, de democracia racial.

Para a jornalista, uma das fundadoras do MNU (que começou com reuniões no porão da redação do jornal), a atitude de Faerman e dos editores do Versus, de cederem as páginas do jornal para o Afro Latino América, “foi altamente revolucionária, inclusive dentro da esquerda que, naquela época, não enxergava a luta dos negros como parte da revolução”.

Movimento: grandes reportagens, financiamento coletivo e muita censura

Em Tempo: um jornal para enfrentar a ditadura de modo contundente

Jornal Abertura: união da luta do movimento negro com o combate à ditadura

 

Dos panteras negras aos quilombos brasileiros, da discussão do 13 de maio aos debates teóricos, o Afro Latino América não poupava esforços em se debruçar sobre as questões caras ao movimentos negro e enfrentar a ditadura militar. “Nós estávamos fazendo isso há 40 anos. Fomos abraçados pelo Versus, que nos forneceu uma base teórica muito grande e nos colocou em contato com uma literatura muito importante”, lembra Neusa.

Por dentro do Versus

Além de fundar e dirigir o periódico, Faerman colaborou com o carioca O Pasquim, e ajudou a criar o jornal Ex, publicação irreverente inspirada em jornais internacionais. Para Rachel Moreno, colaboradora do Versus durante dois anos e fundadora do jornal feminista Nós, Mulheres, a importância do Versus e de Faerman para a imprensa alternativa brasileira foi “gigantesca”. “Marcão era uma figura muito inteligente, um visionário. Um grande jornalista, com um texto impecável”, lembra a jornalista.

Vizinha da redação do jornal, Rachel descobriu que o Versus funcionava na rua de cima onde morava e começou a frequentar o local, assim como muitos estudantes, artistas e intelectuais da época. “Eu me lembro de encontrar passeando por lá o Gilberto Gil, Geraldo Vandré, Chico Buarque e muitas outras personalidades da época, o que mostrava que o Versus não era só um jornal, era um foco de resistência democrática”.

Reprodução

“Marcão era uma figura muito inteligente, um visionário. Um grande jornalista, com um texto impecável”, lembra Rachel Moreno

A publicação bimestral ganhou as bancas também por sua proposta estética inovadora, que trazia desenhos nas capas coloridas impressas em papel couchê, ensaios fotográficos de cunho político e outros recursos gráficos que ganhavam muito destaque no Versus com cartunistas como Chico e Paulo Caruso, Angeli e Luiz Gê. Em sua melhor fase, em 1977, o jornal chegou a vender 35 mil exemplares, contando com assinaturas, vendas de mão em mão e distribuição em bancas.  

Em 1978, com os efeitos da abertura política patrocinada pelo governo de Ernesto Geisel (1974-1979), a organização trotskista Convergência Socialista, que já orbitava em torno do jornal, assume o comando a publicação e o Versus muda sua linha editorial, tomando rumos políticos mais definidos. No mesmo ano, após dirigir a publicação por 24 números, Faerman deixa o jornal, que encerrou suas atividades no ano seguinte, em 1979. Hoje, todas as edições que foram dirigidas por Marcos Faerman estão digitalizadas em um site dedicado a preservar a memória do jornalista.

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias