Entidades criticam ministro italiano que disse que 'famílias gays não existem'

Fontana também disse que, além de suas próprias crenças, a lei italiana não reconhece essa formação familiar

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Em seu primeiro dia no cargo, o novo ministro da Família e da Deficiência da Itália, Lorenzo Fontana, deu uma declaração polêmica em que diz que as "famílias gays não existem" e virou alvo de questionamentos por parte de ativistas e ONGs.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

"Sou católico, não escondo isso. E por esse motivo acredito e digo que as famílias são as naturais, onde uma criança deve ter um pai e uma mãe", afirmou o ministro, de 38 anos, em entrevista neste sábado (02/06) ao jornal Corriere della Sera.

Fontana também disse que, além de suas próprias crenças, a lei italiana não reconhece essa formação familiar. "Uma lei com esse propósito não existe. Devemos decodificar o que está acontecendo [nos cartórios italianos que têm registrado filhos de pais homossexuais]", criticou.

Divulgação

Novo ministro italiano diz que famílias gays não existem

O ministro jurou que nunca falou nada contrário ou agressivo aos gays, mas ressaltou acreditar que se vive em "um modelo cultural relativista", no qual "não existem as comunidades, mas sim, as famílias, que são a primeira e mais importante comunidade da nossa sociedade". Fontana, no entanto, admitiu que isso não está na sua pauta como ministro no momento e que pretende se focar a "convencer as mulheres a não abortarem".

Lei que permite casamento igualitário entra em vigor na Alemanha

Australianos votam "sim" ao casamento gay

Aline Barros e os preconceitos que mancham a história do gospel

 

As palavras de Fontana logo despertaram reações no ambiente político e social na Itália. O ministro do Interior e vice-premier, Matteo Salvini, do partido nacionalista Liga Norte, tentou amenizar o caso, mas tomou distância de Fontana. "Fontana é livre para ter suas ideias. Porém, elas não são prioridade e não estão no nosso contrato de governo", comentou.

"União civil e aborto não são leis em discussão. Alguma vez dissemos que mudaríamos a lei do aborto? Não", assegurou.

Por sua vez, as entidades em defesa dos direitos da comunidade LGBT reagiram. "Estou chocada em ver um ministro da Família assim distante da realidade em que vive", criticou Marilena Grassadonia, presidente da Associação "Famílias Arco-Íris".

 

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias