Resolução da OEA que desconhece eleição na Venezuela é 'absurda', diz Caracas

Resolução do órgão pedia aplicação da carta democrática para suspender país, mas grupo que propôs remoção não obteve votos necessários para tal

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O chanceler venezuelano, Jorge Arreaza, disse na noite desta terça-feira (05/06) que a resolução aprovada na Assembleia Geral da OEA (Organização dos Estados Americanos) que não reconhece a eleição realizada em maio no país é um 'circo' e 'absurda'. O trecho que pedia a aplicação da Carta Democrática contra Caracas, o que poderia levar à suspensão dos venezuelanos, não passou.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

“A Venezuela rechaça absolutamente as decisões que tomaram no dia de hoje por parte destes 19 países [que votaram a favor] e garantimos que nós vamos enfrentar com nosso povo nossas dificuldades e, entre os venezuelanos, vamos resolver nossos problemas sem que sua ingerência e seu intervencionismo afetem nosso país. Venezuela é livre e soberana”, disse.

O texto, que foi aprovado com 19 votos a favor, 4 contra e 11 abstenções, diz que as eleições de maio "carecem de legitimidade”, fala sobre a necessidade do que chamou de “medidas urgentes” para solucionar o “crescente número de migrantes e refugiados venezuelanos” e pedia a aplicação dos artigos 20 e 21 da Carta Democrática da Interamericana. Este último fala sobre suspender um país no qual se reconhecesse que houve uma “ruptura democrática”.

A resolução, sem este último ponto, precisava de maioria simples (18) para ser aprovada, o que efetivamente aconteceu. No entanto, para que os dois artigos fossem aplicados, havia a necessidade de 24 votos a favor, equivalente a dois terços do total. Caracas vê o fato como uma derrota para EUA, já que Washington não tem os votos necessários para tirar o país.

AVN

Assembleia Geral da OEA não deu votos necessários para suspensão da Venezuela do órgão

Venezuela rechaça sanções impostas pelos Estados Unidos após reeleição de Maduro

Maduro determina expulsão de encarregado de negócios dos Estados Unidos em Caracas

Governo da Nicarágua e OEA se reunirão para discutir reforma eleitoral

 

"Infelizmente estes países não podem ligar para o vice-presidente dos Estados Unidos [Mike] Pence e dizer que cumpriram a missão", disse Arreaza ao final da votação. Entre os que propuseram a resolução, estão Brasil, Argentina, Canadá, Chile, Estados Unidos, México, Peru, Paraguai, Guatemala e Costa Rica.

Retirada voluntária

Durante a sessão, Arreaza lembrou que a Venezuela, inclusive, já iniciou o processo para se retirar voluntariamente da organização, o que deve estar concluído até 2019. Segundo o chanceler, a OEA não ajuda mais a população latino-americana, mas sim “cria condições para o intervencionismo e a ingerência para violar o direto internacional público”.

Já que não foram obtidos os 24 votos necessários para uma eventual suspensão da Venezuela acontecesse, seria necessário convocar o conselho permanente para que este coloque a proposta novamente em votação. Para que o conselho seja convocado, são necessários 24 votos a favor.

Depois, durante a reunião da assembleia, são necessários outros 24 votos para aprovar a suspensão do país. A assembleia geral da OEA conta com 35 membros, incluindo Cuba, que foi suspensa no período da Guerra Fria e voltou à organização, mas decidiu não participar ativamente das reuniões, o que totaliza um número de 34 membros ativos.

Caso isso um dia ocorra, a Venezuela seria o segundo país a passar recentemente pelo processo na OEA. O primeiro foi Honduras, suspenso em 2009 em resposta ao golpe que afastou Manuel Zelaya do poder, mesmo ano em que Cuba retornou à organização.

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias