Espanha decide receber navio rejeitado por Itália e Malta com mais de 600 imigrantes

Ministério do Interior da Itália, comandado pelo ultradireitista Matteo Salvini, recusou autorização para que navio atracasse; Pedro Sánchez fala em 'evitar catástrofe humanitária'

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O novo primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, anunciou nesta segunda-feira (11/06) que o país permitirá que o barco Aquarius, que leva 629 pessoas resgatadas no Mediterrâneo, atraque no porto de Valência. Os prefeitos de Barcelona, Ada Colau, e de Valência, Joan Ribo, ofereceram os portos locais para a embarcação, que está com 629 imigrantes à deriva e foi recusada pela Itália e por Malta.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

“É nossa obrigação ajudar a evitar uma catástrofe humanitária e oferecer um porto seguro a essas pessoas, cumprindo, dessa maneira, com as obrigações do direito internacional”, disse Sánchez, em nota divulgada pela Presidência do Governo da Espanha.

No domingo (10/06), o Ministério do Interior da Itália recusou autorização para o navio atracar. Essa foi a primeira vez que uma embarcação é rejeitada desde que o líder de extrema-direita Matteo Salvini assumiu o controle da pasta, que é responsável pelas políticas de imigração.

Entre as 629 pessoas a bordo do Aquarius, há 123 menores de idade desacompanhados, 11 crianças acompanhadas e sete mulheres grávidas.

Entidades criticam ministro italiano que disse que 'famílias gays não existem'

Novo governo da Espanha suspende controles orçamentários sobre Catalunha

Itália impede que navio com 629 migrantes atraque no país; política de imigração é controlada por ultradireita

 

MSF

Espanha resolveu aceitar navio Aquarius, rejeitado por Itália e Malta

O navio é operado pela ONG SOS Méditerranée, com pessoal de Médicos Sem Fronteiras (MSF). Os migrantes foram resgatados em seis diferentes operações no Mediterrâneo, sendo a mais delicada delas para salvar os ocupantes de um barco inflável que virara no mar com 40 pessoas.

O Aquarius socorreu 229 indivíduos, mas os outros 400 foram transferidos para o navio por embarcações mercantis e da própria Guarda Costeira da Itália. O Aquarius segue no mar enquanto aguarda a indicação de um porto para ancorar.

Segundo MSF, não há ninguém em estado grave, e todos estão alimentados e hidratados.

De acordo com a Organização Internacional para Migrações (OIM), 33.226 deslocados externos já entraram na União Europeia via Mediterrâneo em 2018, sendo 13.808 pela Itália, 11.070 pela Grécia, 8.301 pela Espanha e 47 pelo Chipre. Outras 785 pessoas morreram ou desapareceram na travessia.

"Mais de 750 mortos no Mediterrâneo em 2018. O salvamento de vidas no mar deve permanecer uma prioridade absoluta de qualquer governo", disse a porta-voz do Acnur para o sul da Europa, Carlotta Sami.

(*) Com Ansa

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias