França: mais da metade dos homossexuais já foi vítima de agressões, revela pesquisa

rfi - português do brasil
53% das pessoas que se declararam homossexuais, bissexuais ou transgêneros no país já foram vítimas de agressões, de acordo com pesquisa do instituto IFOP

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Cinquenta e três por cento das pessoas que se declararam homossexuais, bissexuais ou transgêneros na França já foram vítimas de agressões, de acordo com uma pesquisa divulgada nesta quarta-feira (27/06) pelo instituto IFOP, a pedido de associações de luta pelos direitos LGBT.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Vinte e oito por cento dos 994 entrevistados, que responderam um questionário on-line, declararam ter sido vítimas de insultos. Além disso, 24% deles sofreram diferentes tipos de abusos, 18% receberam ameaças e 11% relataram um estupro. Os resultados, revelados a três dias da Gay Pride de Paris, foram apresentados nesta quarta-feira pela manhã à ministra Marlène Schiappa, secretária de Estado para a igualdade entre homens e mulheres. Ela reconheceu o “atraso” francês na coleta de dados sobre a questão.

“É importante ter dados precisos que nos ajudem a superar os clichês e as representações, que são necessariamente tendenciosas”, declarou, lembrando que as pesquisas permitem “adaptar as políticas públicas”. Os dados revelam, por exemplo, que nos meios rurais esse tipo de agressão é menos frequente. Por outro lado, em bairros como o Marais, no 3° e 4° distrito de Paris, onde estão concentrados a maioria dos bares e casas noturnas gays, os abusos são mais comuns.

No início do ano passado, uma rua do bairro, pintada com as cores do arco-íris, que representa o orgulho gay, foi destruída e coberta com insultos homofóbicos. No Twitter, a prefeita de Paris, Anne Hidalgo, disse que entraria com uma ação judicial para investigar o caso.

Penalização das agressões verbais

As agressões ocorrem nas escolas, no transporte coletivo, na rua, no local de trabalho e dentro da própria família. Por este motivo, 43% dos entrevistados disse que evita beijar ou abraçar um parceiro em público, e também prefere não frequentar certos lugares.

A maioria dos participantes da pesquisa é favorável à penalização dos insultos contra homossexuais, como é o caso das agressões verbais racistas. Em maio, a ONG francesa SOS Homofobia revelou que o número de atos homofóbicos na França aumentou em 2017 pelo segundo ano consecutivo.

OMS retira transexualidade da categoria de distúrbios mentais

Macron discute com papa no Vaticano crise migratória na Europa

Os poetas não podem mais morrer

 

Wikimedia Commons

Mais da metade dos homossexuais franceses já sofreu agressões, mostra pesquisa

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

'Trump me disse para processar a UE', afirma May

Após presidente dos EUA declarar que primeira-ministra do Reino Unido ignorou conselho dele sobre o Brexit, líder britânica revela qual foi a sugestão do americano: não entrar em negociações com a União Europeia